2 a 4 Anos: Comportamento

Por volta dos 3 anos, geralmente começa uma fase de “enfrentamento” com pais. É o momento de começar o processo de disciplina.

Muitos comportamentos e  demonstrações de agressividade são reações da criança. Por isto é importante entender o que se passa, primeiro.

DISCIPLINA

Disciplina é necessária desde muito cedo, perto dos três anos de idade .

Se seu filho não obedece a você, por exemplo, querendo pegar coisas de fato perigosas ou jogando, de propósito, coisas no chão ou batendo em você ou chutando, etc… você poderá usar o castigo como disciplina.

Evite deixar objetos que podem ser quebrados ou perigosos para crianças ao alcance delas. Isto reduzirá a necessidade de disciplina, lembrando que a criança está na fase da descoberta do mundo ao redor.

Escolha um local na casa (que não seja quarto dele) e explique o porquê do castigo e que, desse momento em diante, quando ele não obedecer você, ele ficará de castigo. Diga que ele ficará, por exemplo, 4 minutos (1 minuto por cada ano de idade).

Quando precisar, então, leve-o até o canto da disciplina, deixe-o sentado lá. Se ele sair, volte com ele e explique de novo o motivo do castigo. Na terceira vez que ele sair, volte com ele (sempre o segurando pela mão), mas não diga mais nada e nem olhe para ele. Faça isso quantas vezes for necessário.

Há mães que fazem isso até mais de 10 vezes. Não importa. Na primeira vez, será mais difícil, mas as idas e vindas irão diminuir depois de disso e ele aprenderá.

Depois dos 4 minutos, vá até ele e pergunte se ele sabe porque ficou de castigo, de um abraço nele e saia com ele do local pela mão.

Abaixe-se na altura dele, quando estiver explicando tudo isso.

Esse processo só irá funcionar se você for firme e determinada.

Comece logo, pois, com o tempo, a criança só se torna cada vez mais indisciplinada.

Lembre-se, no entanto, de não banalizar o castigo,  usando-o por qualquer motivo.

SOCIALIZAÇÃO

Alguns pais, erroneamente, colocam a criança com 1 ano, 2 ou até menos na escolinha, imaginando que isso irá ajudar na socialização (interagir de forma educada, emprestar seu brinquedo, etc.).

No entanto, a socialização só  começa a partir dos 2 anos e irá se estabelecer por volta dos 3 anos; variando entre crianças.

O ideal é que a criança vá para a escola somente por meio período, a partir dos 3 anos. E, assim mesmo, em uma escola que haja o processo de adaptação por completo.  Leia o artigo (link) sobre Adaptação na Escolinha.

Antes disso, é importantíssimo que a criança conviva o máximo com a mãe, pois somente através desse vínculo, ela terá um desenvolvimento emocional saudável e equilibrado.

Recebemos inúmeras perguntas sobre a fase de 2 a 4 anos de crianças (<=link) e procuramos organizá-las, com as respostas, para facilitar a consulta para quem possa se interessar. Essas são aquelas relacionadas a comportamentoagressividade e disciplina.

Para mais informações sobre esta fase etária, veja os links a seguir:

“Mente de 2 a 4 anos”

  1. Criando Um Ambiente de Aprendizado…
  2. Comportamento, Disciplina, Agressividade
  3. Manias e Tiques
  4. Desenvolvimento (Fala/Vocabulário, Desenvolvimento Motor)
  5. Adaptação na Escolinha
  6. Timidez e Autoestima fragilizada
  7. Identificação sexual
  8. Sexualidade nesta fase?
  9. Amamentação nesta fase
  10. Difícil colocar para dormir
  11. Ciúmes de um dos pais
  12. Tão tranquilas que preocupam…
  13. Chorando muito…
  14. Medos…
  15. Alimentando-se pouco…
  16. Largando as fraldas...
  17. Preferência por um dos pais
  18. Largando a chupeta

Sobre as próxima eleições de 2014:

Pensando sempre no ser humano e com desejo que cada um se torne um ser plenamente realizado, apoio pessoas que da mesma forma pensam assim. Não apoio partidos, mas pessoas.

Avalie corretamente cada candidato e use sua ferramenta: O VOTO como meio para isto. Precisamos pessoas competentes e íntegras no cenário político de nosso país.
Recomendo os seguintes candidatos:

Brasília – Henrique Ziller 40404 Deputado Distrital

Rio de Janeiro – Marilene Vieira 2207 Deputada Federal

Paraná – Carla Pimentel 20007 Deputada Estadual

UrnaCompetenteIntegro


 

.

.

.

.

 

 

About these ads

65 opiniões sobre “2 a 4 Anos: Comportamento

  1. Comentário por Adriana – Janeiro 30, 2008.

    Minha filha acabou de fazer 4 anos, seu comportamento tem sido um transtorno para mim. Não posso levá-la a nenhum lugar comigo, pois ela não para um minuto, corre, pula, grita quando dizemos à ela que não pode, não obedece de jeito nenhum, ela é muito agitada, por causa disso tenho vivido isolada, será que isso é normal? Estou desesperada, não sei mais o que fazer!! Desde já muito obrigada

    Marilena responde:

    Você não disse se ela tem esse comportamento agitado só quando sai ou apresenta isso também quando está em casa.

    Exemplo, não consegue ficar parada muito tempo, sempre mexendo nas coisas ou indo de um lado para o outro.

    Crianças geralmente são agitadas mesmo, e o estranho é quando elas ficam paradas sem muito agito.

    Caso isso somente ocorra quando ela sai com você, pode ser por curiosidade que queira pegar em tudo.

    Caso seja por desobediência a uma ordem sua, já é caso de indisciplina.

    Caso seja por ativismo mesmo, já podemos pensar em uma orientação mais adequada através de uma psicóloga infantil.

    Como você vê, são várias as nuances de um comportamento desse tipo e envolve várias variáveis.

    Talvez seja apenas um caso de detalhar com mais cuidado todas essas variáveis e dar a você uma orientação mais adequada junto à sua filha.

    Não fique sozinha nessa situação e procure ajuda mesmo.

    Os profissionais estão prontos a ajudar e muitas vezes falta apenas uma orientação específica àquela situação que o indivíduo está vivendo.
    ______________________________________________________________
    Comentário por Cleria Maria – Janeiro 30, 2008

    Tenho uma filha de 4 anos e 10 meses todas as pessoas dizem que ela é muito inteligente, porém o temperamento dela é muito forte, desde 1 ano e 3 meses, ela é muito nervosa, grita com todos, quer bater em crianças que não quer brincar com ela, muito difícil para obedecer eu e o pai dela. Chego a passar muita vergonha com ela na frente das pessoas. Ela já esta na escola. Converso com a professora dela sobre seu comportamento ela sempre diz que tem um bom comportamento. Tenho notado que as pessoas, mesmos adultos, não gostam de ficar perto dela. Por favor preciso de ajuda.

    Marilena responde:

    Se ela tem um comportamento adequado na escola, deve respeitar a disciplina que a professora impõe.

    Como é a disciplina que você e seu marido colocam dentro de casa?

    Se ela se acostumou desde cedo (porque disciplina começa logo no berço) a fazer o que quer e não ouve você, talvez a disciplina esteja um pouco ausente do dia a dia.

    Será que não é isso que tem acontecido?

    Existe castigo quando ela grita em casa ou grita com os outros ou mesmo com você?

    O que você tem feito em relação a isso?

    São perguntas fundamentais, mas só você pode verificar com detalhes esse tipo de atitude.

    Caso seja difícil verificar isso sozinha, não tenha receio em procurar uma psicóloga infantil que poderá “dicas” importantes nesse item para você.

    Lembrando que não é o caso de uma terapia para sua filha e sim uma orientação para você e seu marido.

    A criança tem quase sempre um comportamento decorrente do que recebe em casa.

    Por isso, uma orientação pra vocês creio que será o suficiente.
    ______________________________________________________________
    Comentário por Daniella – Janeiro 30, 2008

    Meu filho de 1 ano e 7 meses, chora muito, mas muito mesmo, às vezes, quase o dia inteiro. Fico preocupada, pois as vezes não consegue se distrair com nada, apenas chora e reclama o tempo todo, já passamos por médicos para descartarmos a hipótese de alguma dor física, sinto que é pura manha, mas tenho dúvidas pois chega a ser demasiadamente chorão. Meu outro filho agora com 16 anos nessa fase também chorava muito, mas ficava com intervalos mais longos. O pequenino frequenta o berçário desde 1 ano e 2 meses e seu comportamento tem se mostrado agressivo em casa e na escolinha, faz mais ou menos 1 mês. Chego a perder a paciência por vezes, pois seu choro contínuo perturba muito. Existe alguma leitura específica para me orientar, pode ser algum problema de ordem física ou emocional? Meu marido e eu trabalhamos muito e me sinto culpada por não termos muito tempo disponível. Meu filho adolescente reside com o pai e passa férias e feriados conosco e é super carinhoso com o irmão, mas chega a perder a paciência com o choro constante. Devo insistir com o pediatra em alguma pesquisa de ordem física? Está muito difícil, pois estamos nos isolando, com receio de incomodar as outras pessoas a nossa volta. Oriente-me por favor, obrigada.

    Marilena responde:

    Algumas crianças são mais sensíveis e mais carentes do que as outras.

    Como você disse que trabalha muito, talvez esse seja o grande motivo.

    Será que ele para de chorar quando está com você?

    Você tem passado algum tempo perto dele, tocando, acariciando sempre que pode?

    Como tem sido isso?

    O choro sempre sugere desconforto. Se não é físico, com certeza é emocional.

    Você fica junto dele quando ele tem de dormir? Deita do lado dele e conversa com ele?

    Sua impaciência pode estar gerando mais choro.

    Quando você se ausenta, irritada, ele deve chorar mais ainda porque já deve se sentir abandonado durante o dia.

    Isso não significa que você tenha de parar de trabalhar. Seria o ideal, mas você pode com certeza, gerar tempo com qualidade perto dele.

    O choro é de “estar pedindo” presença sua.

    Converse com calma com ele, pois nessa idade, por incrível que pareça, a criança gosta que o adulto a olhe e converse num tom de voz calmo com ela.

    Verifique esses pontos e você mesma encontrará o motivo e tanto choro.

    Lembre-se que o choro é sempre um pedido de socorro.

    Existe muita literatura no caso específico dessa idade.

    Você encontra em livrarias os diferentes estágios de idade e talvez encontre uma série da Clinica Tavistock, separadas em idade. “Meu filho de 1 ano”. “Meu filho de 2 anos”, etc. Não é a única série mas procure na parte de psicologia.

    Você certamente vai encontrar boa literatura a esse respeito.
    ______________________________________________________________
    27/6/2008 Comentário recebido:

    Por favor me ajudem.

    Meu filho acaba de completar dois anos e está muito irritado.

    Perco a paciência fácil e meu marido também.

    Ele grita, desobedece, não que se alimentar corretamente.

    Só fica pedindo por mamadeira.

    A situação está ainda mais difícil com relação ao meu marido.

    Ele está muito muito irritado com o próprio filho. Mas, não está adiantando nenhum tipo de castigo.

    Colocamos ele pra pensar, apesar dele ficar lá sentado os 2 minutos… em tempo lá esta ele novamente desobedecendo.

    A situação esta tão grave que não estamos mais saindo com ele, por vergonha, stress!

    E isto está nos incomodando muito. Está nos entristecendo. Queremos saber onde estamos errando e como acertar.

    Bjos e parabéns pelo trabalho que vocês realizam.

    Marilena responde:

    Seria bom que você investigasse junto ao pediatra se está tudo correto com ele, em termos de saúde.

    Uma alergia, por exemplo, leva uma criança a ficar muito irritada com tudo.

    Se for somente na área da alimentação, veja também, junto ao pediatra a variedade de alimentos que ele tem acesso.

    Quando a variedade é pequena, ou quase a mesma ao longo das semanas, a criança perde a vontade de comer.

    Caso esteja tudo ok, não se acanhe em pedir orientação a uma psicóloga infantil que poderá ver de perto os detalhes da situação de vocês e dar uma orientação mais adequada e precisa.
    ______________________________________________________________
    25/6/2008 Comentário recebido:

    Parabéns pelo site, as dúvidas e respostas podem ajudar muitos pais que tiveram filhos sem manual de instruções!!!

    Gostaria de perguntar também: meu único filho tem 4 anos e meio.

    Eu e meu marido damos muita atenção, carinho e amor.

    Mas quando estamos nós 3 juntos, existe uma rejeição muito grande do meu filho para com o pai.

    São carinhosos um com o outro na minha ausência, mas quando estou perto, ele não permite que o pai o toque, fica agressivo.

    Seria complexo de Édipo? É normal ainda nessa idade ? Devo repreendê-lo ou não ? Como devo agir ? Antecipadamente, agradeço.

    Marilena responde:

    É normal que nessa idade o filho tenha sim ciúme do pai.

    Você pode ir explicando a ele que é importante que seu marido goste também de você, pois uma pessoa que não gosta da outra, geralmente fica bravo o tempo todo e briga muito com ela.

    Pergunte se ele gostaria que visse sempre o pai dele brigando com você.

    A criança nessa idade já entende muito bem o significado da palavra briga e, portanto, quando você fala nesses termos ele certamente irá entende o que você está falando.

    Sempre que ele demonstrar essa atitude, repita a explicação.

    Com o tempo, ele irá se adaptando e entendo melhor essa situação.
    ______________________________________________________________
    18/6/2008 Comentário recebido:

    Olá. Meu filho tem 2 anos e meio. Ele tem me dado tapas sempre que quer expressar um “NÃO” rebelde, e em seguida olha com aquele olhar esperando minha reação. Com se me experimentasse ou desafiasse.

    Gostaria de saber a melhor maneira de corrigi-lo já que o que faço parece não resolver. Normalmente falo firme com ele, sem agressividade, dizendo que ele não tem o direito de levantar a mão a alguém, e que eu não admito e não aceito aquele comportamento.

    Ressalto sempre também que o respeito e que ele deve me respeitar da mesma maneira.

    Devo dizer também que me mudei e o pai dele ainda não veio. E sempre que nos visita, faz tudo pra ele. Desde de presentes a atenção total, até mesmo se virando quando converso com ele e o meu filho o chama. E, também, a babá não o reprime e nunca impõe nada. Apenas o convida e o tenta convencer das coisas.

    Só gostaria de saber como o ensinar. Obrigada

    Marilena responde:

    Seu filho com essa idade, não conhece o sentido de palavras como respeito,etc…

    Ele está na fase do comportamento e como tal, sua atitude de disciplina também deve ser através do seu comportamento.

    Colocá-lo de castigo em algum lugar e dizer que ele ficará lá porque bateu em você, será o bastante para ele entender que esse comportamento. Ele não deverá repetir. Deixe-o lá durante 2 min.

    Caso ele saia, volte com ele para o lugar mas não fale mais nada com ele .

    Evite tentar dar maiores explicações e tentar responder ao que ele eventualmente lhe diga.

    Castigo é castigo e para ele castigo será igual a : ficar sem seu olhar ou sem a sua conversa e sem a sua presença. Ele, rapidamente, entenderá o sentido de sua resposta.

    A disciplina começa desde o berço e crianças precisam dela para sentirem-se seguras e amparadas.
    ______________________________________________________________
    Comentário por Claudio Manoel – Julho 4, 2008

    Meu filho tem 2 anos e 4 meses, e tem uma irritabilidade acima do normal, isso desde que ele nasceu. Exemplo, se estamos cantando uma musica junto e mudamos a letra ele começa a gritar para parar, em vez de tentar desenhar algo ele rabisca muito forte e fala “forte papai” até hoje não consegue desenhar nada, quando esta com os tios e avos ele os junta para brincar de roda e cada um deve ficar na posição que ele mandar se não se irrita, e pra completar se alguém conhecido chega pra fazer carinho e ele não quer ou ele grita ou levanta a mão pra bater. Eu e minha esposa tentamos de tudo falamos com ele na altura dele, repreendemos o comportamento sem bater, mas ele repete esse comportamento, pretendemos levá-lo a uma psicóloga para observação pra ver o que acontece, alguém já passou por algo parecido?

    Marilena responde:

    Em algum momento, seu filho deve ter começado a apresentar esse quadro e muito pouco foi feito para revertê-lo.

    A disciplina começa no berço e quanto mais as ordens dele forem acatadas, mais autoritário ele ficará.

    No fundo, ele sabe que pode controlar o comportamento das pessoas com seus gritos.

    Imagino que as pessoas ao redor, devam aceitar seus mandos para que ele pare de gritar.

    Ele apenas teve esse comportamento reforçado com o tempo, mas ainda é possível reverter esse quadro, fazendo exatamente um condicionamento ao contrário.

    No momento que fizerem a roda, por exemplo, para brincarem com ele e ele começar com suas exigências querendo que tudo fique como ele deseja, as pessoas começam a se retirar e a brincadeira termina.

    A cada exigência dele de mando, as pessoas se retiram e ele ficará sozinho.

    Com essas situações repetidas, ele com o tempo vai perceber que gritos e exigências = fim de brincadeira e de atenção (que no fundo, é o que ele quer).

    Não tenha pena de atuar dessa maneira e pedir que seus familiares façam o mesmo.

    Essa é a melhor maneira de ajudar seu filho e viver em comunidade, pois a partir dos 2 anos começa a socialização e ele em breve ele terá a companhia de mais crianças na escola e as coisas não serão na ordem que ele determina.
    ______________________________________________________________
    11/07/08 Comentário recebido:

    Olá, fiquei feliz em ter descoberto este site, eu tenho um filho de 2 anos e 5 meses , minha esposa e eu estamos por uma situação no mínimo constrangedora.

    Deste que meu filho nasceu eu tenho cuidado dele, pois minha esposa trabalha fora e como estava desempregado fiquei tomando conta dele, sempre meu filho tratou a mãe com carinho, mas de uns meses pra cá, toda vez que ela chega do trabalho ele a recebe com um comportamento agressivo e chorando muito, na maioria das vezes tenho que socorrer, pois ele chora muito dizendo pra ela ir trabalhar e agredindo-a com tapas. Por favor me oriente o que devo fazer.

    Marilena responde:

    O comportamento de seu filho mostra somente uma coisa: ele está cansado da ausência de sua esposa, por isso a agride. Geralmente, agredimos o “objeto do desejo”.

    Ao invés de seu filho correr para ela, ele agride, como se dissesse: chega de tanto abandono, fique comigo!

    Pode parecer um comportamento contraditório, mas apenas mostra o desejo dele de permanecer mais tempo com a mãe.

    Seria importante que ela ficasse o máximo com ele, e tentasse passar e substituir você pelo menos nos fins de semana com ele.
    ______________________________________________________________
    14/07/08 Comentário recebido:

    Minha filha, de 2 anos e 8 meses, tem comportamento agressivo familiar e social. Não obedece de jeito nenhum , não para quieta , não brinca por muito tempo com alguma coisa , parece não temer nada , controla tudo.

    O que isso quer dizer?

    Marilena responde:

    Você deve ir a um psicólogo infantil, relatar o caso e talvez precise de orientação da mesma para saber como lidar com ela.

    Crianças nessa idade, geralmente, não param quietas mesmo e têm uma atividade muito intensa.

    Ela possui irmãos? Convive com outras crianças? Já está na escolinha?

    Esse aprendizado social, faz com que a criança aprenda a conviver de uma forma bem menos agressiva.
    ______________________________________________________________
    Comentário por Simone Alves – Julho 17, 2008

    Primeiramente, parabéns pelos artigos. Vou tentar ser o mais objetiva possível. Sou educadora, trabalho em uma creche e trabalho com crianças de 1 ano e 9 meses de idade, aproximadamente. Tenho, em média, 3 crianças em período integral, mas uma, em especial, apresenta um comportamento no mínimo estranho, q merece um olhar mais atento. Ele é uma criança cativante, linda, muito bem cuidada e amada por sua família. Filho de pais separados, é criado pela mãe, avó materna e a tia. Ele apresenta traços comuns dessa idade, uma certa dificuldade com as palavras, com os talheres, enfim, mas o que me preocupa são os repetidos episódios de mordidas, onde ele sempre ataca os coleguinhas, porém ele não expressa agressividade com essa atitude, parece divertir-se com isso…Também, não presta atenção ao q eu falo quando estou repreendendo ou explicando alguma coisa para ele. Chora, fica falando junto comigo, se joga no chão e eu vejo q td o q eu falei não foi absorvido por ele. Tentei fantoches, histórias, músicas, a fim de estimulá-lo a ter atitudes mais carinhosas, criei o momento do abraço, onde ele e os demais se abraçam, se beijam, conversei com a mãe e avó e elas se mostraram muito atentas ao problema e dispostas a ajudar. Estamos tendo sucesso com essa tática, ele já não morde com tanta freqüência, mas ainda não aceita meus pedidos, enfim, ainda não entendeu, pra ser bem direta, q não dá pra fazer sempre o q se tem vontade.

    Preciso de alguma técnica, alguma forma, enfim, uma luz para q eu torne essa criança um pouco mais obediente, não submissa e passiva, mas aberta a aprender como conviver melhor com regras, acatar pedidos, enfim… Preciso de ajuda, pois não tenho formação acadêmica nessa área, estudo comunicação social, mas estou muito interessada em entender um pouco desse universo. Desde já, sou grata.

    Marilena responde:

    Crianças nessa idade, já aprendem a respeitar regras e já podem ser disciplinadas desde cedo.

    Caso ela não faça o que todos fazem na sala, ela deve ser levada a um cantinho e permanecer lá por 2 minutos, longe das outras crianças para ir percebendo que ela perde sempre alguma coisa quando não segue as regras..

    Se for na hora de alguma atividade, ela perderá parte da brincadeira.

    Elogie sempre que ela obedecer com bastante ênfase para que ela perceba a diferença entre o que é correto e o que não é.

    Verifique se a disciplina está sendo feita em casa, também, pois caso isso não esteja ocorrendo, será difícil para você implantar isso com ela.

    Muitas vezes quando a criança fica muito tempo fora de casa, a tendência é ser mais do que tolerante com as vontades dela, numa tentativa de compensar a ausência materna.

    Você precisam trabalhar juntas nisso.
    ______________________________________________________________
    19/07/08 Comentário recebido:

    Olá, primeiro gostaria de dizer o site é otimo. Encontrei vários casos que se encaixam nos meu caso e aprendi muito. Parabéns.

    Bom eu tenho uma menina de 2 anos e 8 meses. Ela convive comigo, meu marido e com minha sogra. Eu estou confusa com o comportamento dela, Ela grita muito, e fica falando bastante como se estivesse nos imitando. Eu fico com dó pq agora estamos toda hora, dando bronca nela e vejo que ela fica sem graça quando leva uma bronca, eu acho que ela esta convivendo muito com adultos e não tem noção de como se comportar e fica tentando chamar a atenção de qualquer maneira. Como posso falar com ela de maneira que ela me obedeça e entenda que eu estou ensinando ela e não repreendendo. Pois comigo ela abusa as vezes. E é normal ela se fazer de surda quando o que falamos não interessa a ela. Tipo Vamos tomar banho etc e tal. E é normal ela levantar a mão para mim e me dar tapas como às vezes dou tapinhas nela.

    Quando ela conviver mais com crianças ela vai mudar o comportamento?

    Marilena responde:

    A diferença entre “dar bronca” e “ensinar” é o tom de sua voz.

    Você pode gritar, o que significa que você está dando bronca e pode dizer a mesma frase, em tom baixo, mas firme, mostrando que você está ensinando.

    Repreenda sempre que necessário sem culpa.

    A disciplina começa no berço.

    Como você às vezes dá tapinhas, procure fazê-lo com um chinelo no bumbum, mas nunca use sua mão. a mão deve ser usada para fazer carinho e ela aprenderá isso desde cedo.

    Como ela ainda não sabe fazer muitas tarefas sozinha, como tomar banho, por exemplo, segure-a pela mão e vá com ela. Assim ela sempre se sentirá apoiada.

    A convivência com outras crianças será importante, porque a partir dessa idade de 2 anos começa a socialização

    e ela aprenderá regras básicas, como não gritar quando quer alguma coisa, dividir brinquedos com outras crianças, dividir atenção, etc….

    Irá melhorar bastante com o início da escolinha.
    ______________________________________________________________
    01/08/08 Comentário recebido:

    Quero parabenizá-los pelo site.

    Tenho um filho de 2 anos e ele é super carismático, carinhoso, amoroso, educado…todos no condomínio onde eu moro gosta dele. Apesar dele ter essas qualidades a minha preocupação é se eu não estou mimando muito ele, como por exemplo, ele mama até hoje, ele cobra muito carinho meu, minha atenção, sempre atendo quando ele me pede…não gosto de ver ele chorando pedindo minha atenção…, já cheguei colocar ele de castigo e também já levou umas palmadinhas, mas sempre atendo ele. Recebo muitas criticas, por ainda amamentá-lo e algumas pessoas falam que ele vai ficar um adulto dependente…isso é verdade?

    Marilena responde:

    Se você consegue manter a disciplina junto com o carinho, tudo bem.

    A indisciplina e superproteção, levam a criança a uma dificuldade de lidar com a frustração e isso não é nada bom.

    Se ele fica de castigo, chora, mas você não cede ao choro dele, tudo bem.

    É nesse caso que falo da disciplina onde não há flexibilidade apesar do choro e manha dele.

    Se você também consegue fazer com que ele divida o tempo e passe com outras crianças e aprenda aos poucos fazer algumas tarefas sozinho, tudo bem, também.

    A superproteção atrapalha a capacidade da criança crescer e tornar-se independente.

    Observe esses itens e veja como você tem controlado tudo isso.
    ______________________________________________________________
    Comentário por Ana Paula – Agosto 22, 2008

    Meu filho vai fazer quatro anos e é um menino muito agitado, principalmente quando saímos com ele, ele tem um comportamento agressivo com outras crianças, principalmente, quando está num grupo de crianças e as mesma não dão muita atenção a ele. Gostaria de saber como faço para acabar com estes problemas? Desde já agradeço a atenção.

    Marilena responde:

    Ele já tem idade para entender e ser ensinado que agressividade afasta as outras crianças de perto dele.

    O NÃO à agressividade deve ser sempre respeitado por ele e a cada tentativa dele em ser agressivo com as outras crianças, você deverá afastá-lo das mesmas, para ele começar a perceber que tal comportamento tem consequencias:
    “Agressividade = isolamento”
    ______________________________________________________________
    Comentário por Amanda – Agosto 22, 2008

    Meu filho tem 4 anos e há 1 ano e 6 meses mudamos de país e meu filho esta se alfabetizando, com uma cultura diferente e língua diferente.E ultimamente na escola ele sempre tem cartinhas com reclamações do comportamento dele em relação aos coleguinhas, que não gosta de emprestar os brinquedos e também que bate nos mesmos, perguntei para ele, e o mesmo me fala que o coleguinha, bateu nele e por isso que o mesmo revidou, só que ele não fala para a professora que apanhou e o colega fala, o que posso fazer para que o meu filho não continue tendo este tipo de reação, ele e filho único.

    Marilena responde:

    Você deve primeiramente conversar com a professora na escola para saber exatamente o que vem acontecendo.

    A professora deve ficar atenta a ele para ver se de fato ele está só revidando ou tomando a iniciativa para bater no coleguinha.

    Ela deverá sempre monitorar o comportamento dele e sempre comunicar a você o ocorrido.

    Juntas, poderão trabalhar melhor.
    ______________________________________________________________

    Comentário por Ivana – Agosto 25, 2008

    Parabéns pelo site , tem orientações claras de procedimentos importantes para criação de nossos filhos. Tenho um filho de 2 anos e sempre falava que ele era calmo , obediente, enfim bonzinho , mas agora ele está contestador se digo subi na mesa não , ele responde subir sim e sobe! Uso o método do castigo por 2 minutos mas nem sempre funciona , e parece que ele me testa e mais fora de casa.Outro dia no restaurante ele bateu na cara da baba reclamei mas ele ria e fazia novamente perdi a calma e dei três palmadas na mão dele mas também não adiantou . Estou precisando de orientação como proceder , há algum livro de fácil compreensão que possa me ajudar com o desenvolvimento dele? Aguardo sua resposta.

    Marilena responde:

    Se a disciplina não for feita SEMPRE pouco vai adiantar.

    O castigo deve ser regular e você deve voltar com ele ao local do castigo sempre que ele se recusar a ficar lá.

    A cada indisciplina, mesmo na rua, ou fora de casa o castigo deve ser feito também.

    Geralmente, a criança tem o castigo somente em casa a passa a achar que não vai ocorrer nada se ela estiver fora de casa. O “cantinho” do castigo também deve ser escolhido fora de casa.

    A coerência se estabelece nessa constância.

    Com o tempo ele vai perceber que o castigo é uma norma não importando onde ele esteja.

    Os desafios da criança nessa idade são frequentes e como ela aprende por repetição, a repetição do castigo deve prosseguir igualmente.
    ______________________________________________________________
    Comentário por Camil – Agosto 27, 2008

    Minha filha de 2 anos é muito agitada e nervosa, às vezes, egoísta demais como devo agir com ela pois tenho um desgaste físico muito grande

    Marilena responde:

    Crianças nessa idade são egoístas mesmo.

    Tanto é assim que a idade ideal de começar na escolinha é depois dos 2 anos, onde começa a fase de socialização.

    Antes disso, ela (caso esteja na escola) não saberá dividir brinquedos com colegas.

    Essa fase, no entanto, vai desaparecendo à medida que ela for crescendo e for introduzida à escola.

    Quanto ao nervosismo, verifique se isso aparece em reação à sua disciplina.

    Essa é a idade, também, em que a disciplina aparece com mais frequência, pois a criança ganha maior independência.

    Com isso, as “artes” começam a aparecer mais e a disciplina também.

    A criança reage à isso com choro e nervosismo (demonstrando que não está aceitando o fato de ser contrariada). Só você poderá observar e dizer à que comportamento corresponde esse nervosismo.
    ______________________________________________________________
    Comentário por Danieli – Agosto 28, 2008

    Olá. Meu filho tem 2 anos e 1 mês. É muito esperto, e inteligente. Ultimamente está bastante agressivo. Este é o 8º dia de creche dele, o qual ele sempre se nega a ir, chora muito, dizendo que quer ficar em casa.(Tenho uma tia e a bisavó dele que moram no andar de baixo e fazem todas as vontades dele, c/guloseimas e tudo mais). Mas depois de uns 10 min. que está na creche, as professoras falam que ele já pára de chorar e se acalma. Fica o dia todo lá e buscamos no fim do dia. Nós dois trabalhamos fora. Antes de ir p/creche ele ficava numa casa de família desde os 6 meses de idade. Lá ele adorava ficar, mas a mulher que cuidava dele ficou doente e colocamos então a creche. É uma criança feliz, amada e recebe muito carinho. Mas percebi que depois destes dias na creche, ele está piorando, estando mais agressivo do que já era. Não quer tomar lanche nem almoçar. O que mais me preocupa é que a agressividade é geralmente comigo e com meu marido. Mais ainda comigo, pois me bate sem controle. Às vezes eu dava um tapinha na mão dele, ou na bundinha, explicando que dói, que era para ele sentir também…Mas percebi que só piorava. Ficava mais agressivo ainda, revidando com mais tapas. Agora deixamos ele de castigo no quarto, em cima da cama sem poder descer, geralmente por 2 min. No castigo ele chora muito, grita, dizendo “não quero ficar de castigo” Mas pelo menos ele não sai de lá antes de eu deixar…Eu não sei mais o que fazer…estou perdendo a paciência c/muita facilidade. Acabo gritando e me alterando…Para finalizar, estou tentando tirá-lo da fralda juntamente com as prôfs da creche. Ele já faz xixi e cocô no pinico de manhã, quando tiro a fralda. Já sabe que quer fazer, pois as vezes ele pede: “mamãe, xixi”. Mas, às vezes, acaba fazendo na calça. Acho que estou pressionando ele demais. O que devo fazer?

    Será que devo procurar um especialista ou alguma leitura específica p/me orientar nestas situações todas? Me ajude por favor…Obrigada.

    Marilena responde:

    Não sei como foi a adaptação dele na creche. Foi sendo feita aos poucos?

    Você ficava com ele na salinha por 1 hora e ia embora com ele?

    Voltava no dia seguinte e ficava 1 1/2h e depois ia ficando no corredor, na sala da frente, etc….?

    Isso deveria ter sido feito durante 1 semana para que a criança não se sinta ‘largada”na escola.

    Caso você não tenha feito isso (não sei como é a orientação da escola) seria interessante que você conversasse na escola e recomeçasse uma nova adaptação.

    Não inteira, como acima, mas pelo menos parcial, para que ele se sinta mais seguro.

    A agressividade com vocês, só demonstra como ele se sente abandonado por vocês, pois são os pais, (na cabeça da criança) que o abandona; daí a tendência de bater em você, como se dissesse: Você é a culpada disso, olha o que está fazendo comigo, etc..

    O castigo deve continuar a cada indisciplina ou agressividade com você.

    Isso não deve ser flexível, pois é uma fase em que eles testam os pais nessa área.

    toda mudança de escola, ou professora, ou babá, etc… provoca uma certa insegurança na criança.

    Tente uma adaptação mais demorada e parcial com ele.
    ______________________________________________________________
    Comentário por Tania costa – Agosto 28, 2008

    Gostaria de algumas orientações, trabalho com crianças de 4,5,6 anos em uma escola municipal> Essas crianças são terríveis no comportamento, estamos pensando em trabalha com eles em assistência educativa e orientação de como se comportar,mas estou com dificuldade para desenvolver esse trabalho,vocês podem me ajudar?

    Marilena responde:

    A orientação mais adequada seria através de uma psicopedagoga que poderá lhe ajudar com maior eficiência.
    ______________________________________________________________
    20/09/08 Comentário recebido:

    Me socorra pelo amos de Deus! não aguento mais meu bambino de 2 anos e meio acordar aos gritos, gritar e gritar sempre que quer algo, eu estou até entrando em choque com o pai dele pois eu digo a ele que se continuar pedindo as coisas ao berros não darei e o pai sempre sede e se irrita se tento corrigido, não sei o que fazer nossas manhãs são sempre muito estressantes pois ele sempre acorda de péssimo humor e grita muito. Me ajude pois estou a beira de um surto.

    Marilena responde:

    De fato, você e seu marido deveriam entrar em um acordo em relação à postura de vocês com seu filho. Se ele grita, ou vocês respondem ou não respondem e ignoram até que ele pare de gritar.

    Se, de fato, vocês sempre o atendem quando ele grita, ele continuará gritando sempre para conseguir o que quer.

    Crianças nessa idade fazem associações rápidas, ou seja, grito = consegue o que quer.

    Se você ignorar, o que será que irá acontecer?

    Talvez ele grite até ficar rouco e veja que esse esquema não está funcionando.

    A melhor maneira seria a de ignorar os gritos dele e ele depois de algumas tentativas irá fazer um condicionamento inverso; ou seja, fará outra associação no lugar da outra.

    Seu marido no entanto, deve estar de acordo com você; caso contrário não irá funcionar.
    ______________________________________________________________
    Comentário por Susana – Outubro 1, 2008

    Olá. Trabalho com crianças e estou a acompanhar um grupo desde os 9 meses. Tenho um menino que quando é contrariado morde-se todo e chora muito faz-me muita confusão. Porque ele é meiguinho e tenho receio que comesse a ser agressivo com os coleguinhas… Como hei de lidar com a situação sem ter que por de castigo ou repreendê-lo?

    Marilena responde:

    Repreender, você vai ter de fazê-lo, porque daqui a pouco ele começará a morder os colegas. Ele precisa saber que isso ele não pode fazer.

    Deixe que ele faça a manha que quiser quando contrariado, porque se não for assim ele sempre vai usar esse método para conseguir o que quer.

    Vire-se de costas para ele mostrando que você não se preocupa com a manha dele.

    Depois de muitas tentativas, ele acabará fazendo o descondicionamento de manha = consegue o que quer.

    XXX

    Comentário por Ju – Dezembro 6, 2008

    Olá… minha filha tem 1 ano e 7 meses. Estou com dificuldade em impedi-la de mexer onde não deve. Ela quer abrir a porta e fechar várias vezes, mudar o canal da TV, eu pego o controle remoto da mão dela, ela puxa de mim e joga no chão, corre pra me morder e chora. Quando quer pegar algo que não pode, eu digo pra ela não pegar porque vai machucá-la ou quebrar e ela joga no chão com agressividade. Ela joga as coisas em mim e me machuca, isso me irrita, fico com vontade de chorar por causa da dor e porque não sei o que fazer. Tirando isso, minha filha é uma boa filha! O que faço?

    Marilena responde:

    Quando você diz que “tirando isso” ela é uma boa filha, só posso dizer que sua filha continua uma boa filha. Isso tudo FAZ PARTE do desenvolvimento dela.

    Ela precisa segurar tudo, explorar tudo, copiar o que você faz e o que ela vê os outros fazendo.

    É claro que no entendimento dela, se algo é tirado dela porque machuca, ela não pode entender as conseqüências.

    Aquilo que poderá acontecer, é algo que ainda não está ao alcance do entendimento e desenvolvimento dela.

    É muito cedo ainda.

    O mais adequado seria você retirar da vista dela, aquilo que ela não pode pegar. Coloque os controles fora do alcance dela, sempre em cima de algum móvel.

    É ótimo que ela queira pegar tudo porque isso só significa que ela está tendo um desenvolvimento mais do que saudável e é super normal. Isso não é bom? Esse processo é esperado nas crianças dessa idade.

    Quando ela for pegar algo (que você não tenha podido esconder) e que vai machucar, diga: “dodói”, “aí” e ela poderá ir assimilando aos poucos, mas muito aos poucos esse processo.

    Crianças nessa idade trabalham com associação. Só esse mecanismo irá ajudá-la.

    No mais, é com você retirar da sala e da casa tudo o que poderá machucá-la.

    Ajude-a nesse período de exploração e ela lhe agradecerá mais tarde.
    ______________________________________________________________
    Comentário por Nayanna – 28/12/08

    Oi… Tenho um filho de 2 anos e 4 meses, começou a ir a escolinha tinha 1 ano e 6 meses e se adaptou muito bem, sempre foi muito esperto,desenrolado…

    Mas, mudamos de cidade antes q ele concluísse a escolinha. Aqui, na nova cidade, só faz um mês q chegamos aqui, ele não tem contato com outras crianças e nem saímos muito pq não conhecemos nada e nem ninguém e notei q seu comportamento mudou muito. Do nada ele quer bater na gente, qualquer coisa q pega ele diz:”é meu não é seu” (e isso ele aprendeu sozinho, não sei como), não quer comer (fazem 6 dias hoje q não come comida mesmo, só mingau), altamente desobediente, quando está com raiva fala reclamando e com cara feia, enfim, ele mudou e não sei como me comportar, me ajude, por favor

    Marilena responde:

    Toda mudança é sempre muito difícil para crianças nessa idade.

    Sair de uma cidade e mudar de escola ou casa são “agressões” para a criança que vê os pais como culpados por tirarem dele tudo o que ele já gostava e estava acostumado.

    Por isso ele é agressivo com você e não quer deixar nada dele com você.

    É como se dissesse: “Você tiraram o que eu tinha e agora eu tiro o que vocês querem. O pouco que resta, é meu”.

    Se seu filho não apresentasse esse tipo de comportamento e agisse como se NADA tivesse acontecido, é que seria surpreendente. Isso só significa que ele reage perfeitamente normal às circunstâncias como essas. Adultos também reagem de maneira semelhante, como insônia, estresse, etc…. quando vivem situações de adaptação.

    Dê um tempo para seu filho se acostumar ao novo ambiente.

    Procure trazer para casa ou fazer passeio junto com outras crianças que ele venha a conhecer na escola.

    Saia com ele sempre que puder para distraí-lo mostrando o que há de divertido na cidade.

    Quem faz o novo ambiente ser divertido, é você e quem passa esse entusiasmo para ele também é você.

    Lembre-se sempre que o comportamento dos filhos é muitas vezes um reflexo do comportamento dos pais.

    Se você se sente abatida com a mudança, ele também se sentirá assim.

    Você pode ser um má ou uma boa condutora de humor dentro de casa.
    ______________________________________________________________
    Comentário por Sílvia – 28/12/08

    Olá, gostei bastante do site e preciso de orientação ao comportamento de meu filho que tem 4anos e 2 meses. Eu e meu esposo sempre fomos muito carinhosos com ele e até acho que fazemos demais as coisas que ele pede. Mas de uns tempos para cá ele tem estado um pouco agressivo comigo, fica muito manhoso e chora bastante quando o pai diz que quem vai levá-lo para escovar os dentes ou para dormir sou eu. Fico bastante triste e chateada porque acho que devemos dividir estas funções até porque temos uma filha de 2 anos e 6 meses. Como devo agir nestas situações?

    Marilena responde:

    Seu filho já começa a sentir necessidade de ficar com o pai e isso deve ser estimulado. Lembrando que a identificação sexual começa perto dos 7 a 8 anos.

    É bom que ele queira ficar perto do pai mais do que você. Isso vai variando e se alternando de tempos em tempos.

    Ele deve aproveitar pequenas situações como tomar banho, escovar os dentes, ser colocado pra dormir pelo seu marido.

    Na verdade, ele precisa desse contato com o pai e quanto mais oportunidades ele tiver para isso melhor.

    Retorno da mãe:

    Gostaria de agradecer pelas orientações que você me enviou. Fiquei bastante aliviada, pois pensei que estava deixando de dar atenção para o meu filho e que a agressividade fosse uma maneira dele estar expressando que sentia a minha falta.Obrigada!!!

    Silvia
    ______________________________________________________________
    Comentário de Maria (02/01/09)

    Minha filha tem 1 ano e 3 meses, gostaria de saber quando ela está com determinada criança, ela bate nela ou empurra acredito que ela deve ter acontecido algo, para que ela possa está agindo dessa forma, tipo a amiguinha tirou o brinquedo dela isso acontece sempre e quando ela encontra com ela tem essas reações de bater, você pode sugerir o que devo fazer? Obrigada.

    Marilena responde:

    Esse comportamento é muito normal em crianças dessa idade, pois não existe socialização (só depois dos 2 anos).

    Por enquanto, a reação normal é não querer dividir o que já tem.

    O melhor mesmo é ter sempre os brinquedos dela por perto quando você sair para evitar uma “disputa” por um único brinquedo.

    Ela nessa idade, só entende que aquilo que lhe é tirado, é tirado para sempre (essa é a sensação que ela tem).

    Entender a divisão dos objetos como um meio de diversão e brincadeira só a partir dos 2 anos e é exatamente por isso que somente crianças com 2 anos ou mais é que aproveitam mais a entrada na escola, pois sabem dividir os brinquedos de uma maneira menos egoísta. Antes disso, o que se vê em escolas com crianças com menos idade, é somente briga, muito choro e desentendimento.

    Os estágios emocionais das crianças devem ser bem entendidos para serem respeitados.
    ______________________________________________________________
    Comentário de Vera (25/01/09)

    Sou diretora de escola infantil e tenho uma dúvida em relação a criança que mordem. Trabalho com crianças de 6 meses a 4 anos e na rotina onde estou quando existe a mordida solicito a pessoas que cuida que abaixe e converse com a criança que aquilo que ela fez dói no amigo e que são amigos e o amigo não gosta… ele está chorando porque você mordeu etc … sempre com o intuito em que o mordedor entenda aos poucos que é preciso respeitar o amigo.

    Mas em uma reunião eu falei da minha experiência e outra colega disse que resolve a mordida solicitando ao mordedor que em vez de morder o amigo deve morder em um bicho ou boneca ou se bater deve bater a mão na parede e eu não concordei… mas a minha superior disse que nós duas estávamos corretas. Eu então fiquei indignada e começou minha indagação em como devemos proceder com tal atitude???

    Marilena responde:

    Não vejo muito resultado quando a criança que morde, é solicitada a morder alguma outra coisa.

    Crianças geralmente nessa idade, sabem apenas o que é “morder”, não fazendo tanta distinção entre morder “o que” : colega ou outra coisa.

    No fundo, a agressão é a mesma: morder.

    Desviar a agressão para outra coisa, como a parede, por ex, seria o mesmo que desviar o comportamento agressivo de um adulto em agredir o outro e agredir uma parede. A raiva contra o outro continuaria coma mesma intensidade.

    À medida que vc vai explicando a uma criança coisas que doem, como puxar o cabelo e morder, ela irá entendendo, pois sabe o que significa a dor: dor de cair, dor de bater em alguma coisa, etc… a dor é algo que uma criança desde muito cedo, aprende a conhecer.

    Já o “deslocamento”é algo muito abstrato e difícil ainda de uma criança conhecer.

    Acredito que vc esteja mais no caminho certo quando escolhe a opção de explicar o “sentido da dor”.
    ______________________________________________________________
    Comentário de Eriane (02/02/09)

    Oi, adorei este site tem muitas dicas. Tenho um filho de 1 ano e 10 meses, e ele é muito desobediente. Ele só tem medo de uma vara. Eu falo para ele não mexer e ele vai e mexe. Já tentei colocar de castigo, mas ele fica saindo. Qual o local ideal para dar o castigo? Em cima da cama, no chão e se eu colocar no quarto e for inventar arte? Ele é muito teimoso, não sei mais o que eu faço.

    Marilena responde:

    Nessa idade é quase impossível proibir as crianças de mexerem em tudo, pois estão em uma idade de exploração e curiosidade sem fim.

    O melhor seria você retirar do alcance dele, as coisas mais proibidas e perigosas.

    A idade de colocar de castigo ainda é mais para frente e você pode ajudá-lo muito se fizer uma “limpa” na casa para que ele possa explorá-la com mais facilidade e segurança. Afinal, eles precisam conhecer tudo com as mãos (diferentemente da fase de bebê que “conheciam” tudo com a boca). Ajude seu filho nessa fase de conhecimento facilitando o caminho dele em casa.
    ______________________________________________________________
    Comentário de Amanda – 19/02/2009

    Minha filha tem2anos e 9 meses e de uns tempos pra cá vem dizendo que não gosta de fazer cocô e segura quando dá vontade de fazer. Eu percebo que não é uma dificuldade do intestino, de prisão de ventre, mas que ela própria segura quando dá vontade. Algumas vezes ela fica4 ou mais dias sem defecar.

    Inicialmente, pensei que fosse algo ligado ao pai ou à casa do pai, pois ela sempre voltava da casa dele sem querer fazer, mas depois ela fazia na minha casa. Viajamos por 15 dias para a praia e ela fez todos os dias, normalmente. Desde que voltamos ela não tem feito direito, e ela passou alguns dias a mais com o pai.

    Não penso que seja culpa dele, mas talvez possa ser algum fator relacionado ao pai, ao Édipo. Essa semana passada ela disse que vai se casar com o pai, porque ele é um príncipe.

    Enfim, será que você tem alguma opinião ou ajuda a respeito? Muito obrigada!!!

    Marilena responde:

    Algum tipo de tensão sua filha vem passando. Geralmente, as crianças se “seguram” por tensão e ansiedade.

    Como você mesma relatou, nas férias na praia, tudo foi normal. Conflitos, ansiedade e atéaprópria ansiedade da mãe em ver o controle da criança, faz com que ela se prenda mais ainda.

    Tente levá-la ao banheiro e ir junto, levar alguns brinquedos e livros de estórias enquanto ela estiver sentada. Geralmente, ajuda.

    É claro que cada caso é diferente, mas talvez com ela funcione.

    Verifique, no entanto, a origem disso tudo, que pode ser talvez uma situação nova que ela esteja vivendo e que esteja difícil para ela entender. Converse bastante com ela pois crianças nessa idade não podem ser ignoradas só porque são crianças e “talvez” não entendam o que se passa ao redor delas.
    ______________________________________________________________
    Comentário de Jandira (27/02/2009):

    Minha neta de 2anos quebrou a perna e ficou sem poder andar por um mês. Ela tirou o gesso há uma semana, mas ainda não está andando. Desde que engessou a perna ela anda muito triste e diferente. Ela está mais irritada e tem dias que não tem nem vontade de sair para brincar. Ela não fala mais com as pessoas conhecidas do prédio e fica irritada quando falam com ela. Com os pais continua normal, mas com outras pessoas não.

    E para agravar a situação a mãe começou a estudar a noite há cerca de 15 dias, e como já passava o dia fora agora também a noite. Portanto, ela só vê a mãe pela manhã e final de semana. Quem fica com ela de dia é a outra avó e a noite é o pai, que é meu filho. Estamos preocupados com ela, pois não quer nem falar conosco ao telefone, coisa que ela adorava fazer.

    Estamos todos sentindo que ela não está normal e gostaríamos de saber o que fazer.

    Marilena responde:

    Crianças nessa idade são muito sensíveis às modificações, quer sejam externas ou internas; como o próprio corpo.

    Ela ficou limitada durante o processo de recuperação e isso significa que ela terá de se adaptar novamente e, portanto, é esperado que ela tenha uma certa “regressão” de comportamento.

    É preciso ter um pouco mais de paciência, até que ela recupere todo esse comportamento e autoconfiança.

    É até provável que ela tivesse esse mesmo comportamento se a mãe estivesse em casa à noite.

    Dê mais tempo para que ela se recupere. isso poderá demorar um pouco mais, mas é normal que isso aconteça.
    ______________________________________________________________
    Comentário de Gláucia (11/03/2009):

    Muito bom encontrar este site… Meu filho de 4 anos é muito nervoso quando contrariado ou quando não consegue fazer alguma coisa que ele quer (até montar um brinquedo ou perder um jogo). Chora demais e fica agressivo. Joga as coisas, avança nas pessoas. Até na escola, com a tia e com os coleginhas… Só a mim ele respeita mais um pouco, mas às vezes nem eu consigo contê-lo. Às vezes parece que ele está tendo uma crise, depois passa, fica bonzinho. Já conversei, dei prêmio, coloquei de castigo, dei palmadas… Não sei mais como agir. Como mudar isso?

    Marilena responde:

    Muitos comportamentos são aprendidos e copiados pelas crianças.

    Existe alguém na família cujo comportamento se parece com o dele?

    Ou seja, tem dificuldade de controlar a frustração quando alguma coisa sai errada?

    Caso não seja isso, comece você a brincar com ele, tentando armar algum brinquedo e finja que não consegue também. Diga: “Que pena… Não consegui e vou tentar de novo; é assim que a gente faz quando não consegue, etc… e quando você não conseguir, não faz mal, você pode tentar de novo.”

    O aprendizado em relação à frustração é lento, mas necessário. Ele precisa observar seu comportamento em relação às essas situações e tentar copiar. Tente dessa maneira.

  2. Tenho um filho de 2 anos e 6 meses que vai na escola desde 4 meses. À tarde, ele sempre fica comigo. Não sei se é isso, mas ele nao quer ficar com ninguém e sempre que deixo ele chora e fica me chamando. Também não quer conversar com ninguém. Qdo alguém se aproxima, ele estranha, como se tivesse medo. Na escola, não tem este comportamento. É bastante maduro, observador e independente. O que eu faço para ele interagir mais com as pessoas?

  3. Marilena responde:
    Seu fillho está sentindo DEMAIS sua falta, pois deixar uma criança desde os 4 meses em creche, tem suas consequências e hoje você mesma pode verificar isso.

    Depois de um certo tempo, eles que já aprendem a se manisfestar, começam a demonstrar isso através desse comportamento que você está vendo hoje.

    É mais do que natural que ele queira só você e não queira ficar com mais ninguém. A aproximação de outra pessoa qualquer, para ele significa: “Será que minha mãe vai me deixar com essa pessoa?”

    Você terá sim, que ficar somente com ele, e não se preocupe com a socialização que só está começando agora DEPOIS dos 2 anos. Fique com ele o máximo de tempo que você puder! Conte estórias, brinque, veja TV do lado se ele quiser assistir e “sature” seu filho de sua companhia.

  4. 22/03/09 Comentário recebido:
    Nosso filho único tem 3 anos e 3 meses é um menino bacana, nos amamos e gostamos de ficar juntos os três (eu, meu marido e ele). O que nos assola são os seus gritos. Ele gritava desde 6 meses de idade, as pessoas “mais experientes” nos diziam que não nos preocupássemos que era apenas uma fase de comunicação e que isto passaria. Acontece que nunca passou… Em nenhum momento seus desejos foram concedidos após ter gritado. Pelo contrário ele sempre foi repreendido por mim e pelo pai. Hoje reconhecemos que ele grita mais quando contrariado, sua resposta ao “não” é o grito. Já tentamos todas as formas… Por para pensar por alguns minutos não funciona, pois ele se sente “confortável” em ficar sozinho no quarto sentado na cadeira (ou qualquer outro lugar). Retirar o tempo de ver desenho não funcionou, pois ele fica repetindo que gritou por isto perdeu o desenho (como se tivesse consciência do que acontece e tudo bem se acontecer de novo). A única coisa que o incomoda é dizer que se ele der mais um grito usaremos “varinha da correção” … mas isto não o tem impedido de gritar, só tem impedido que continue gritando. Eu não gostaria de criá-lo sob ameaças, não acho isto legal, acredito que não deve ser assim a maneira de entendermos por que algo acontecerá conosco. Já faz uns cinco meses que uso o sistema da “varinha da correção”, por ser o único que deu certo de alguma maneira. Já a usei efetivamente (por ele ter insistido em gritar mais uma vez) somente umas cinco vezes neste período (lembrando que seu uso é simbólico, ou seja, não batemos com força ou agressividade, tem a pressão de um tapa, dói mais moralmente…e antes de bater ressaltamos o porquê ele está apanhando). É normal o tempo que está demorando esta associação grito -consequência ? Estamos no caminho certo ou não será efetivo ? Agradeço a ajuda.

    Marilena responde:
    Muitos detalhes podem estar em jogo, como por exemplo: Alguém costuma gritar ou falar muito alto em casa? Comportamentos repetidos são comuns nessa fase.
    No entanto, caso esse não seja o caso, você começou pelo caminho certo em relação à disciplina. A correção é bem vinda quando se faz necessária e a criança precisa ter limites.
    Como você já tentou várias alternativas, ele já tem idade para entender a indiferença dos pais. Quando ele começar a gritar, deixe-o sozinho, vire as costas e saia do local e diga que só voltará quando ele parar com os gritos.
    O condicionamento demora, mas o importante aqui seria a relação grito = indiferença (ausência)
    Essa é apenas uma sugestão, pois, talvez, haja mais detalhes envolvidos a serem considerados.

  5. 22/03/2009 Comentário recebido:
    Olá, o meu filho caçula tem três anos ele é muito nervoso, agitado, o comportamento dele é muito difícil de se lidar, o caso piora quando saio com ele, se eu nego alguma coisa que ele vê logo começa a gritar, me chuta, chora e não sei como lidar com isso na frente das pessoas na rua, em casa também é complicado, muito teimoso, ele não obedece minhas ordens, me ajudem, estou sem saída, abraços!

    Marilena responde:
    Coloque seu filho em algum canto da casa, por 3 min (1 minuto por ano de idade). Diga o porquê do castigo e saia. Se ele sair, volte, explique de novo o motivo do castigo e saia. Se ele continuar saindo a partir da segunda vez, simplesmente volte com ele para o mesmo local, mas sem olhar para ele e sequer falar com ele. Faça isso quantas vezes for necessário.
    Cada criança precisa de um número de vezes e não sei quantas vezes você irá precisar fazer isso. Seja consistente e não desista.
    Caso isso aconteça na rua, escolha um local e deixe-o lá também, com você por perto, ou lendo, ou vendo alguma coisa e espere os 3 minutos passarem. Depois disso, explique porque o colocou de castigo, diga a ele para pedir desculpas, dê um abraço e fim.
    Se você não for consistente com esse processo e deixar se levar por um choro, ou birra, etc….nada irá adiantar. Crianças nessa idade precisam perceber consistência por parte dos pais e limites impostos por eles. Ajude seu filho nesse processo.

    Retorno da mãe:
    Olá Marilena, recebi sua resposta e também gostaria de saber se essas dicas valem para uma casa que não exista regras. Já vi, naquele programa Supernanny, que uma casa que não exista regras não vai dar certo colocar de castigo, pode me explicar isso melhor?

    Marilena responde:
    Onde não há regras, é preciso iniciar esse processo.
    Por isso mesmo, onde não há disciplina e limites, é necessário iniciar o quanto antes. Se nunca houve, o momento é o agora pois a criança (todas) precisam respeitar limites ou se tornarão adolescentes inseguros e adultos infantilizados. Comece, portanto, o quanto antes para ajudar seu filho.

  6. 23/03/2009 Comentário recebido:
    Oi! Minha filha tem 2 anos e 6 meses, eu trabalho o dia todo fora e na parte da manhã meu marido fica com ela e a tarde ela vai para a escolhinha! Ela esta sempre muito agressiva, principalmente, comigo, não me obedece, grita comigo e é mandona, tem que ser tudo do jeito dela. Se estou em casa e tem outra pessoa ela não me procura! Tudo pra ela é: “só o papai!” Gostaria de saber como reverter a situação e me aproximar mais dela! Quando ela tem essas atitudes eu a repreendo e se estou em casa a coloco de castigo por 2 minutos! E, se estou longe de casa o que fazer?

    Marilena responde:
    Antes de repreender sua filha, é importante ver o motivo desse comportamento. Como você fica fora de casa, isso já é suficiente para que ela demonstre claramente que se ressente por isso. Daí ela procurar sempre o pai, que é a pessoa que lhe dá apoio e traz confiança. Se você a repreende por ela estar “dizendo” à você que sente sua falta, tudo fica pior ainda.
    Como ela ainda não consegue se expressar como adulto, a única maneira que a criança tem de demonstrar alguma coisa é com grito, choro, rebeldia; e tudo isso em relação à pessoa que ela mais se ressente.
    Você poderia passar mais tempo com ela, trazendo alguma novidade para que ela queira se aproximar de você. Algum brinquedo novo, alguma distração diferente, livrinhos para essa idade específica (há muitos), etc… Veja o que ela mais gosta e explore isso.
    Na escolinha, é exatamente assim que as professoras fazem para “comprar” a simpatia das crianças. Há sempre brincadeiras interessantes, brinquedos diferentes, etc… caso contrário elas não ficariam nem um dia na escola.
    Tente por aí, pois você agora está somente lidando com as consequências de seu afastamento, mas crianças felizmente são fáceis de serem resgatadas. Ainda há tempo!

  7. 23/03/2009 Comentário recebido:
    Meu filho tem 2 anos e 10 meses e ainda bate nos amiguinhos qdo disputam com ele algo ou querem seu brinquedo. Ele ainda não sabe dividir e num conflito, tenta resolver com a agressividade. Gostaria de saber até que idade este comportamento é natural e o que fazer para resolver, pois já tivermos vários constrangimentos por este inadequado comportamento dele. Já o coloquei de castigo, já falei seriamente com ele e já até usei dei palmadinhas no bumbum (com uma varinha da disciplina), mas não vejo melhoras. Fora destas situações, ele é doce e amável.

    Marilena responde:
    A socialização, que só começa A PARTIR dos 2 anos, varia muito de criança pra criança.
    Tente você, em casa, começar a dividir as coisas com ele, brinquedos, etc…. frutas, um pedaço de bolo, e assim por diante.
    Caso ele não queira, diga apenas então que você não irá mais brincar e só voltará quando ele dividir as coisas.
    Esse apenas é um método de auxílio, pois entender que esse processo de “não divisão” o deixará sem amiguinhos, pode demorar.Talvez ele seja uma criança que ainda demore um pouco mais para ser condicionado dessa forma.
    Tente por aí começando em casa, mas faça o mesmo se ele estiver com outra criança. Não divide = brinca sozinho.

  8. 24/03/2009 Comentário recebido de Cintia:
    Tenho um filho de 4 anos e estou preocupada. Ele é muito agressivo com todos que se aproximam dele. Sempre adota uma pessoa e daí os outros não podem se aproximar se não ele bate e até gospe. É muito carinhoso comigo. Ele não mora com o pai. Ele fica com o pai e às vezes comigo, eu não sei se é normal isto, mas um exemplo… se ele ficar em casa com minha irmã ninguém pode encostar nele só minha irmã. Depois qdo chego em casa ele rejeita novamente. Quando chega visita, também, agride qualquer pessoa. Estou tentando educar, não bato e não grito, peço firme que mude porque é feio isto. Ele diz que não vai fazer mais e depois se repete tudo! Minha mãe acha que ele tem uma doença ou algo assim. Fico triste. Ajudem-me com um conselho.

    Marilena responde:
    Seu filho precisaria ter como base de segurança, a mãe. E, disso, parece que ele sente falta. Rejeita você por não ter mais tempo com você. Monopolizar alguém como se ele fosse o dono, mostra o quanto ele precisa de uma pessoa só pra ele.
    No entanto, o lado da agressividade, sugere outras variantes e o melhor seria você buscar uma orientação mais precisa, junto a uma psicóloga infantil para que ela pudesse melhor ajudar você.
    Alguns pensam que psicólogos são apenas para pessoas com algum distúrbio emocional, o que é um erro muito grande.
    Esses profissionais estão disponíveis para que poderem ajudar de uma maneira mais rápida e eficiente. Procure na própria escola (se ele frequenta alguma) indicação de algum profissional nessa área e busque ajuda para ficar mais tranquila.

  9. 25/03/2009 Comentário recebido:
    Olá, tenho uma filha de 2 anos. É carismática, carinhosa, alegre, muito ativa e esperta. É difícil p/ ela obedecer e às vezes ela bate pq foi contrariada.E la é doce e bem brava, de vez enquando. Eu ajo da seguinte forma, sempre repreendo com palavras e às vezes, um tapinha no bumbum. E, quando ela realmente não obedece eu deixo-a de castigo por dois minutos. A minha dúvida é : eu tranco ela no quarto e espero passar os dois minutos, depois eu converso com ela e explico o motivo pq ela ficou lá, e peço p/ ela pedir desculpas e nos beijamos, a reação dela perante o castigo é: ela chora bastante e diz que não quer castigo, mas assim que eu entro no quarto, ela se mostra amável, escuta o que eu digo e pede desculpas. Sou extremamente carinhosa e sempre tento colocar limites quando percebo o abuso. Estou agindo corretamente, o fato de trancar o quarto é ruim, ou devo criar outro cantinho para o castigo? Muito, mais muito obrigada pelas boas orientações, elas valem ouro e fazem a diferença.

    Marilena responde:
    Trancá-la no quarto, decididamente não é o correto, além de ser super perigoso, pois ela só tem 2 anos e, portanto, não deverá ficar em nenhum lugar sozinha. Você deve escolher um canto qualquer da casa onde você possa VÊ-LA o tempo todo. O lugar do castigo e o tempo continuarão os mesmo, porém você estará sempre por perto. Confinar uma criança. é bem diferente de colocá-la de castigo SOB supervisão. O castigo em qualquer idade é bem vindo e, portanto, você pode continuar com essa conduta, sem problemas.

  10. 01/04/2009 Comentário recebido:
    Tenho um filho de 2 anos e 2 meses e outro de 11 anos. O mais velho nunca me deu problemas com nada. Já o pequeno, não estou sabendo lidar com ele.
    É uma criança muito agitada, não pára um minuto. Quando era mais novinho quebrava todos os brinquedos e ainda quebra, bate as portas, tira os mantimentos da dispensa, mexe em tudo.
    Ultimamente, ele está bastante agressivo com todos em casa. Bate, morde, não obedece, te enfrenta, debocha da sua cara. Quando chamo a atenção dele, fala palavrões e mais um monte de coisas.
    Andei perguntando na escolinha como ele age e não acreditaram quando eu disse como ele era em casa. Ou seja, na escola, ele é um e em casa ele é outro.
    Eu, o pai, o irmão, os avós, todos nós enchemos ele de amor e carinho. Não estou conseguido lidar com esse comportamento dele. Por favor, dê-me uma orientação do que fazer. estou muito triste com tudo isso.

    Marilena responde:
    Você não relata o tipo de disciplina que tem feito com ele. Crianças nessa idade já precisam de disciplina (aliás, desde o bêrço) ou elas se tornarão cada vez mais birrentas, agressivas, e controladoras dos pais.
    Ele fica de castigo quando morde alguém? Você diz que ele não obedece … Criança nessa idade precisa obedecer (sem escolha; isso não é uma opção) e, portanto, parece que não está havendo disciplina.
    Como crianças nessa idade gostam muito de explorar o ambiente, deixar ao seu alcance coisas de dispensa, cozinha, etc…. não convém, pois eles automaticamente irão querer explorá-las. Retire o que for perigoso ou o que vocês não queiram que ele mexa e deixe apenas o necessário vista.
    Além disso, portas de cozinha, banheiro, dispensa, devem ser mantidas sempre fechadas para que ele não se aventure. Ainda é muito cedo para que ele entenda quais o lugares são perigosos e quais os que não são. Facilite a vida de seu filho nesse sentido.
    Se na escola existe mais controle por parte dele, significa o quanto ele é capaz de controlar-se. Em casa, sempre haverá jogo de poder com os pais e desde cedo ele precisa saber que nessa “guerra” os pais sempre ganharão.

    03/04/2009 Retorno da mãe:
    Obrigada por me responder, Marilena. Você disse que eu não relatei o que eu faço quando ele morde, desobedece ou é agressivo. Bom, sempre que ele tem uma atitude assim eu e o pai dele colocamos ele de castigo na cadeirinha de papinha, conversamos com ele, falamos que não pode fazer isso ou aquilo e, às vezes, até damos uns tapinha na boca quando fala palavrões, mas não adianta… Basta ele sair que faz tudo de novo. Estou me sentindo impotente perto dele, pois todo esforço que eu faço está sendo em vão. Todo dia é a mesma coisa. Seria o caso de procurar alguma terapia para ele ou isso é normal na idade? Desculpe, Marilena, mas eu realmente não sei o que fazer, não estou sabendo lidar com o meu próprio filho.

    Marilena responde:
    A criança costuma testar os pais até o limite para ver quem sai ganhando nessa “guerra”.
    Você mantém o tempo de 2min de castigo?
    Sugiro que você escolha um outro lugar para o castigo, pois a cadeirinha deve ser um lugar agradável, para que ele goste de ficar lá na hora da refeição. Cada lugar para uma ocasião.
    Não bata na boca da criança e nem use sua mão para dar tapinhas no bumbum. Mão é pra fazer carinho. Use algum chinelo para ele entender que a correção não vem de sua mão ou ele se assustará a cada vez que
    você aproximar sua mão do rosto dele, mesmo que seja para fazer carinho.
    Tente um outro lugar da casa. Deixe-o isolado da convivencia, mas não sozinho para não correr riscos. Dependendo do desenvolvimento da criança, (e só você pode avaliar a capacidade de compreensão de seu
    filho) talvez você já possa iniciar o processo do castigo tradicional. Um minuto pra cada ano de idade. Explique o motivo do castigo e deixe-o sentado por 2 minutos. Caso ele saia, volte com ele para o lugar e explique de novo. Depois disso, se ele sair, volte com ele sem olhar para ele e sem sequer falar com ele. Volte com ele quantas vezes for necessário. Há crianças que saem do lugar mais de 10 vezes. É como tirar a chupeta. Chora e faz birra na primeira noite mas depois vai diminuindo.
    Quando acabarem os 2min, explique de novo o motivo do castigo e diga a ele pra pedir desculpas. Se ele já fala palavrões, saberá dizer “desculpa” (do jeito dele).
    Faça isso a cada desobediencia e vá tentando colocar os limites para ele. Ainda, não há necessidade de buscar uma psicóloga infantil, pois não se trata de dificuldades emocionais e sim de disciplina.
    Tente dessa maneira.

  11. Amei esse site. Como nos ajuda, pois as crianças têm as fases e só com profissionais podemos entender melhor e conviver com as nossas crianças!!!

  12. Encontrei esse blog e achei muito bom
    Marilena, minha filha tem 2 anos e 2 meses. Fala apenas algumas palavras: papai, mamãe, didi, titia. Esta semana a babá que estava com ela desde os 5 meses saiu e estou tendo dificuldade de encontrar outra para substituí-la, tendo passar a maior parte do meu tempo com ela para que milha filha não sinta falta. Neste período ela ficou mais agressiva um pouco. Quando falo um não, ela não me escuta. Preciso oferecer outra coisa. Uma chantagem para ela esquecer aquilo que ela quer, senão ela não para de chorar e fazer birra. Muitas vezes deixo ela sozinha, mas tenho dó. Gostaria de saber o que eu faço nesta situação e nomes de livros para entender o desenvolvimento dela.
    As pessoas acham que devo colocar em uma escolinha, mas sinto que ela é muito sensível e ainda nao está preparada para a vida social, penso que farei isto quando ela completar 3 – 4 anos.

    Por favor me ajude.

  13. Marilena responde:
    Se você tem condições de ficar com ela em casa, ótimo!
    Ótima a idéia de colocá-la somente lá pelos 3 anos.
    Crianças precisam da mãe nessa idade e sua presença é fundamental e insubstituível.

    Quanto à fala, não se preocupe tanto, pois ela varia muito entre crianças e naturalmente ela irá desenvolvê-la.

    Quanto ao choro tente fazer isso mesmo: substitua o que ela não pode pegar por outra coisa. Retire do alcance dela objetos que são perigosos, pois não espere que um simples NÃO irá detê-la. Nessa idade, ainda é difícil entender corretamento o não. Nessa fase, também, que é de pura exploração de coisas e ambiente é até injusto deixar ao alcance dela coisas que ela não pode mexer.
    A curiosidade da exploração, é que fará com que ela se desenvolva. Em situações que ela realmente não pode fazer, deixe que chore. O aprendizado da “frustração” começa a ocorrer nessa fase também.

    Ao final do post, na página sobre a “A Evolução do Pensamento” há sugestões de livros escritos logo abaixo.
    São da coleção Imago e você os encontra na maioria das livrarias. São separados por idade e ajudam muito para entender cada etapa de desenvolvimento infantil.
    Você já pode comprar o de 2 anos e assim por diante.

  14. 07/10/2009 Comentário recebido:
    Obs.: publicamos aqui, pois a resposta enviada por e-mail retornou por erro no endereço.
    Adorei ler todos esses depoimentos e respostas. preciso de sua ajuda urgente!
    o que acontece é que lendo suas respostas percebi o quão é importante a presença da mãe, pelo ao menos nos tres primeiros anos de vida, mas as vezes é impossivel ( preciso trabalhar para sustentar meus filhos).essa é a realidade de hoje, as vezes naõ temos opção. no meu caso, é uma mistura de duas coisas :” a superproteção por minha parte e a falta de atenção(brincar, conversar, interagir)para com meus filhos devido ao fato de eu precisar trabalhar muito.
    o relato:” TRABALHO EM UMA CRECHE ESCOLA E MEUS DOIS FILHOS FICAM COMIGO PERÍODO INTEGRAL ( 2 ANOS E MEIO E SEIS ANOS) COM O MAIS VELHO, EU O SUPER PROTEGI ( DAVA COMIDA TODA HORA, INSISTIA PARA QUE ELE COMESSE,ETC) EMBORA O DESENVOLVIMENTO DELE TENHA SIDO NORMAL PARA TODAS AS ETAPAS – FALA, COMPORTAMENTO, ETC- ELE DAVA MUITA BIRRA DE 1 ANO E MEIO AOS DOIS ANOS E MEIO, MORDIA , BATIA; TUDO PORQUE ELE QUERIA COLO E ESTAVA ME VENDO O TEMPO TODO E EU PRECISAVA TRABALHAR, MESMO ESTANDO O DIA TODO PERTO DELE, PARA ELE NAÕ ERA O SUFICIENTE. QUANDO TUDO ESTAVA MELHORANDO, ELE FICANDO MAIS INDEPENDENTE – A QUESTÃO DA ALIMENTAÇÃO PIORAVA A CADA VEZ MAIS, ELE PROVOCAVA O VOMITO SÓ DE VER A MAMADEIRA, SE RECUSAVA A COMER E EU CHEGUEI ATÉ A BATER COM CHINELO PARA ELE PODER A COMER ALGUMA COISA. ERA AQUELA CRIANÇA QUE NÃO COMIA NADA, PASSAVA ATÉ 8 HORAS SEM INGERIR NADA, NADA MESMO – SEI QUE FOI POR CAUSA DA MINHA INSISTENCIA CONTINUA NOS DOIS TRES PRIMEIROS ANOS DE VIDA QUE CAUSOU
    ESSA REAÇÃO.
    QUANDO NASCEU MEU SEGUNDO BEBÊ, TUDO MUDOU: EU COMECEI A DAR MUITA ATENÇÃO AO BEBÊ E O PRIMOGENITO FICOU MAIS INDEPENDENTE: COMEÇOU A PROCURAR ALIMENTO SOZINHO, HOJE, AOS SEIS ANOS, FOME ELE NÃO PASSA! ABRE A GELLADEIRA, PEGA IOGURTE, ADORA LINGUICINHA – MAS MESMO ASSIM, AINDA NÃO SE ALIMENTA COMO AS OUTRAS CRIANÇAS, POIS ODEIA TODO TIPO DE DOCE, SÓ GOSTA DE COUVE E CEBOLA REFOGADA,E POR FIM: REFLEXO DA MINHA SUPER PREOCUPAÇÃO COM OS ALIMENTOS.
    AAGORA O MAIS NOVO ( 2 E 8 MESES) É MINHA MAIOR PREOCUPAÇÃO. FOI TRATADO COMO UM BEBÊ ATÉ OS DOI ANOS; NÃO SEGURAVA UM PEDAÇO DE BISCOITO NA MÃO – ESPERAVA QUE EU QUEBRACE OS PEDAÇOS E COLOCASSE NA BOCA DELE- AS PROFESSORAS DA ESCOLA FALAVÃO QUE ELE PRECISAVA SER MAIS LIVRE E DEIXAR QUE ELE FICASSE MAIS A VONTADE. PERCEBI QUE ELE ESTAVA AGINDO COMO UM BEBÊ, QUE OS COLEGUINHA DE TURMA DELE JÁ HAVIAM COMEÇADOA FALAR ( POIS PRECISAVAM APRENDER; SUAS MÃES NÃOESTAVAM ALI PARA ATENDER AOS CAPRICHOS E ELES PRECISAVAM FALAR PAR QUE AS NECESSIDADES FOSSEM ATENDIDAS). MEU FILHO, ATÉ HOJE, NÃO FALA NADA, NADA MESMO, NÃO QUE BRINCAR COM OS AMIGUINHOS, QUER MORDER, BATER, DORMIR EM HORARIO ERRADO, FICAR ACORDADO DURANTE A NOITE; ENFIM: EU O CONDICIONEI ASSIM. AGORA, POR SUGESTÃO DE TODOS OS AMIGOS, MEUS ESPOSO, MINHA MÃE, EU ESTOU DEIXANDO IR PARA CRECHE (PERÍODO MATUTINO) E FICO EM CASA, PARA NÃO FICAR ATENDENDO TODAS AS NECESSIDADE DELE SEM QUE ELE SE ESFORCE PARA
    DEMOSNTRA-LAS. POIS SE EU ESTOU LÁ, NÃO CONSIGO ME MANTER E O ATENDO ANTES DELE PEDIR, POIS JÁ SEI O QUE ELE QUER. POR FIM, ELE MUDOU BASTANTE DESDE DESSA INICIATIVA: NÃO CHORA QUANDO EU NÃO ESTOU POR PERTO, ESTÁ SEGUINDO A ROTINA DO SONO – ACORDADO DURANTE O DIA E DORMINDO A NOITE- EVOLUIU BASTANTE. O QUE PRECISA MELHORAR AINDA E A COMPREENÇÃO DAS MENSAGENS COMPLEXAS, COMO PEDIR QUE ELE QUARDE SEUS MATERIAS NA MOCHILINHA SOZINHO, QUE ELE NÃO MORDA QUANDO CONTRARIADO, APENDER A FALAR, ETC.
    FICO ANGUSTIADA, POIS IGAL HOJE, ELE ESTAVA FEBRIL E EU ACORDEI ELE PARA IR PARA ESCOLINHA, ELE FOI CHORANDO, ME CORTOU O CORAÇÃO, MESMO SABENDO QUE LÁ ELE FICA FELIZ E TRANQUILO. JÁ LIGUEI NOVE VEZES NUM PERÍODO DE UMA HORA PARA SABER SE A FEBRE ABAIXOU – SE ELE ESTIVESSE LÁ, JÁ TERIA PEGADO-O NO COLO E TRATADO-O COMO UM BEBEZINHO. ATÉ MEU ESPOSO FICA CHATEADO COMIGO, POIS CHEGO ATER CRISES DE ANSIEDADE QUANDO PENSO QUE ELE ESTÁ SÓ E ATRASADO NO DESENVOLVIMENTO. SINTO QUE EU PRECISO MAIS DA PRECENÇA DO MEU BEB^DO QUE ELE DA MINHA – EM TERMOS DE EVOLUÇÃO- POR FIM, QUERIA SABER SE ESTÁ CERTO EU DEIXÁ-LO IR MEIO PERÍODO PARA ESCOLINHA SEM ESTAR COM ELE, PARA QUE ELE EVOLUA E COMECE A INTERAGIR COM OS AMIGUINHOS, QUE COMECE FICAR MAIS INDEPENDENTE POR SENTIR QUE É NECESSÁRIO.
    TEM DIAS QUE FICO MUITO ANGUSTIADA, FICO PENSANDO QUE ELE POSSA SER AUTISTA, MAS TODO MUNDO FALA QUE ISSO É PURA NEURA MINHA, QUE ELE ESTA ASSIM POR CAUSA DA SUPER PROTEÇÃO E DA PERSONALIDADE DELE QUE FOI MOLDADA – POR MIM- PAR SER SEMPRE ATENTIDO ANTES DE TENTER PEDIR – ESTOU CONTINUANDO A SEGUIR TUDO QUE TE SITEI POIS ESTOU VENDO MUITOS RESULTADOS POSITIVO EM RELAÇÃO AO DESENVOLVIMENTO DELE. EX: ELE NEM SABIA SEGURAR A COLHER, AGORA, COMO NÃO ESTOU LÁ PARA DAR NA BOCA, ELE JÁ COME ATÉ SOZINHO.
    O QUE VC ACHA SOBRE TUDO ISSO? ELE É TÃO CARINHOSO, QUANDO CHEGO ELE ME ABRAÇA E BEIJA E FICA TÃO FELIZ, MAS VOLTA A SER UM BEBEZINHO DE NOVO……..SERÁ QUE ESTOU AGINDO CERTO DESSA VEZ………TENHO TANTA DÓ DE DEIXÁ-LO LA SOZINHO NO PERÍODO MATUTINO.
    AMO MEU FILHOS ACIMA DE TUDO, SÃO MINHA VIDA…… NÃO SAIO, NAÕ TENHO VIDA SOCIAL, NÃO ME SINTO A VONTADE PARA DEIXA-LOS BRINCAR SOZINHOS, POR MEDO DE SE MACHUCAREM, ETC. A UNICA FORMA DE ELES FICAREM MAIS INDEPENDENTE É EU NÃO ESTAR PERTO, POISS SE NÃO, CEDO AOS DESEJOS.
    BEIJOS…… AGUARDO RESPOSTA URGENTE.

    Marilena responde:
    Parece que pelo fato de você estar se esforçando em deixá-lo um pouco mais sozinho, está dando resultados, pois ele está começando a ficar mais independente.

    Sei que é difícil para você deixar que isso aconteça e que parece ser mais difícil para você do que para ele. No entanto, se você conseguir manter esse limite, a evolução será mais rápida e você verá os frutos de sua persistência.

    Existe, é claro, uma grande diferença entre o ideal e o real. O ideal é que a mãe fique em casa com o filho e que ele frequente a escola somente meio período. O seu real, no entanto, é que precisa trabalhar e seu filho precisa ficar um tempo na escola e um tempo longe de você.

    No entanto, recupere esse tempo, separando algumas horas para brincar com ele, ler estorias, etc… Recuperar o tempo ausente, não signiifica que você irá mimá-lo como antes e nem fazer todas as vontades dele e nem se adiantar em dar o que ele pretende querer.
    Recuperar o tempo, significa passar um tempo exclusivo com ele, nem que seja meia hora (aliás isso é bom para cada filho), dando atenção exclusiva à ele.
    Passe alguns mInutos também conversando com ele na hora que for colocá-lo para dormir e continue com sua intenção determinada em deixá-lo mais independente. Ele fará grande progressos.

  15. Obs.: Publicamos aqui, pois a resposta por email retornou por erro no endereçamento.
    Oi Marilena. Que bom encontrar este site, pois não sei o que fazer. Meu filho de 2 anos e 8 meses grita muito e chora por qualquer coisas. Não sei aonde eu errei, pois tenho duas filhas, uma de 13 anos e outra de 10 anos. Elas nunca me deram tanto trabalho. Não sei quem possa me ajudar. Eu e o meu esposo trabalhamos fora. Meu filho ficava com minha filha de 13 anos, mas quando eu chegava do trabalho ela estava chorando, pois ele estava dando muito trabalho para ela. Como eu trabalho em frente a minha casa em uma escola, resolvi levar ele comigo, mas ele me atrapalha muito.
    O pai dele não permite colocar ele em creche e resolveu levar meu filho para o serviço, mas não está dando certo. Eu falo dentro dos olhos dele que não pode gritar, não pode chorar à toa. Ele diz: “tá”, mas faz tudo de novo. E se não fizer o que manda ele grita muito.
    O que eu faço? Com quantos anos ele pode melhorar?

  16. Marilena responde:
    Nessa idade não adianta muito dizer a uma criança que ela não pode gritar e sim descobrir o porquê dela gritar.
    Se você trabalha fora, talvez o dia todo, esse seja o grande motivo, pois crianças nessa idade não verbalizam e não dizem o que sentem apenas se manifestam atraveś do comportamento; choro, gritos e birras.

    Também, não adianta muito você comparar os outros filhos com ele, pois cada um é diferente e tem personalidades diferentes.
    Ninguém poderá substituir você; nem mesmo sua filha por mais que ela tente. Sua presença nessa idade é muito importante e é preciso que você gaste tempo com ele, cuidando dele, brincando com ele.

    Aos 3 anos, ele já poderá ir para uma escolinha por meio período, com vocêe fazendo a adaptação correta. (leia no blog o artigo sobre “Adaptação na Escolinha”).

    Levá-lo para o trabalho de seu marido é bem pior e crianças nessa idade precisam ficar em casa, no mundinho deles, com os brinquedos deles, dormindo à tarde, etc…

    Sua filha deve estar exausta, pois cuidar de uma criança de 2 anos, exige muita paciência e cuidados especiais e, sem dúvida alguma, isso nao é tarefa para ela. Trata-se de uma tarefa exclusiva de mãe e delegar essa tarefa para uma adolescente de 13 anos é inadequado. Ambos sofrerão com isso: sua filha e seu filho e você mais ainda, pois como você mesma relata, isso não está dando certo.

    Você não diz se trabalha o dia inteiro, mas se o faz, a melhor alternativa é colocá-lo em uma escolinha por meio período e ficar em casa com você, caso você possa ficar no trabalho por meio período também.

    Gastar tempo com seu filho é necessário nessa fase de construção e equilíbrio emocional. Lembre-se, também, que a personalidade está formada até aos 3 anos.

    Meninos, também, são muito mais ativos que meninas e seu filho precisa de espaço para correr (nessa fase, é importante), locomover-se, descobrir coisas novas e através das brincadeiras ele se desenvolverá.

    O comportamento de seu filho demonstra que algo está faltando a ele e ele se sente insatisfeito com isso, pois parece que nada o satisfaz e o agrada. Parece que ele precisa mais de sua presença e companhia.

    Sugiro, também, a leitura do artigo Tempo com os Filhos.

  17. Marilena, você me perguntou se eu trabalho o dia todo. Agora, eu só trabalho das 6:00 às meio dia, mas já trabalhei o dia todo. Durante a tarde eu fico com o meu filho. Sobre colocar ele em uma escolinha, aqui onde moro não tem para esta idade de 3 anos de graça. E se for particular, não tenho condições para pagar. Ajude-me, por favor. Eu não sei o que fazer.

  18. Marilena responde:
    Já que você pode ficar em casa à tarde, fique com seu filho o máximo que você puder. Conte estórias para ele, brinque com os brinquedos preferidos dele e na hora de dormir, fique com ele um pouquinho, contando estórias ou ouvindo alguma musiquinha com ele.
    Sua companhia é importante e dessa forma, voce poderá compensar sua ausência de manhã.
    No entanto, isso pode demorar um pouco a fazer efeito e não desanime se ele tiver dias ótimos e outros ruins, com mau comportamento. Entre idas e vindas, no entanto, o que é comum nessa idade, você o estará ajudando.

  19. 22/2/2010 Comentário recebido:
    Bom dia, tenho um filho de um ano e seis meses. Minha gravidez foi muito complicada. Separei-me ainda grávida e fui morar em outro estado. O pai dele mora longe e o vê com pouca frequência. Hoje meu filho vai para creche. Sempre foi uma criança esperta, porém faz um mês que ele esta se isolando dos amigos da creche, não presta a atenção na escolinha, bate em todo mundo, na praia joga areia em todos. A psicóloga da creche disse que ele deveria fazer um tratamento e tomar remédios. O que será que faço?

    Marilena responde:
    O que parece estar acontecendo, é que seu filho, a medida que cresce, vai entendendo melhor o que se passa.

    Primeiramente, nessa idade não há “isolamento de amigos”, pois, ainda, não há socialização alguma. Essa socialização só começa A PARTIR dos 2 anos e, assim mesmo, varia entre crianças. Seu filho, portanto, ainda está longe disso.

    As crianças são vistas como ameaças e, portanto, é natural que ele bata em outras crianças. Talvez isso não acontecesse antes, pois ainda não havia controle motor suficiente para isso.
    Bater é um ato (entre crianças) quase involuntário, pois é a única maneira de se expressarem, pois ainda não existe a verbalização. Jogar areia nos outros, também, é esperado e não há nada de errado com seu filho nisso. Praticamente, todas as crianças, em torno dessa idade, fazem isso, principalmente meninos que são mais agitados. Aliás,crianças muito quietas, são um mal sinal, pois elas são por natureza agitadas e, nessa idade, e daqui em diante, existe um mundo todo a ser explorado.

    A escola deve ter tarefas interessantes para que a criança se entretenha e se aquiete um pouco.
    Esperar, no entanto, que uma criança nessa idade se sente e se porte como crianças de 8 anos, é esperar algo que não existe.
    Seu filho, daqui em diante, será muito mais agitado. Precisará de muito espaço para correr, brincar e explorar.
    Nessa idade, no entanto, o que ele mais precisa é ficar com você.
    Você não relata se trabalha o dia inteiro ou se precisa, de fato, colocá-lo numa creche e nem se ele fica o dia inteiro.
    Caso fique o dia inteiro, ele terá motivos de sobra para se cansar e, portanto, perder o interesse nas atividades da escola.
    Nessa idade, ele precisa de você, unicamente, (e ninguém poderá substituí-la) para que ele cresça e se desenvolva bem emocionalmente e tenha uma auto estima equilibrada.
    Nada irá construir isso, a não ser sua companhia.
    A leitura da coleção da Imago é altamente recomendada para entender o desenvolvimento da criança nas diversas idades. Você poderá encontrar o volume referente a idade de seu filho.

  20. Obs.: Publicamos diretamente aqui, pois a resposta enviada por e-mail retornou por erro no endereçamento.
    olá. Tenho um filho de 3 anos e 6 meses ele não fala bem, mas repete tudo que a gente diz por exemplo: kalebe, bom dia, aí ele fala kalebe bom dia. Tenho contado estorias toda noite vejo que ele tem melhorado, mas sou uma mãe aflita. Tem outra coisa meu filho é muito inteligente. Ele já lê muita coisa, meu marido ensinou o be-a-bá uma vez ele aprendeu rápido e já começou juntar as palavras. Então, quando ve qualquer palavra já vai soletrando, gostaria de saber se isso é normal para idade dele já que não fala muito bem? E, por último, gostaria de saber como fazê-lo dormir a noite toda, pois ele acorda de madrugada aos gritos me chamando. Fico apavorada, pois vou lá converso com ele e ele volta a dormir. Não dá uma hora, ele grita de novo mesmo levando ele para nossa cama, é do mesmo jeito, por favor, ajude-me.

  21. Marilena responde:
    O desenvolvimento do vocabulário varia muito entre crianças e, portanto, nessa idade você não deve se preocupar com o número de palavras ou fonemas. Respeite o tempo de seu filho e não se preocupe em apressar esse processo, pois muitas vezes a criança se torna ansiosa por tentar corresponder à expectativa dos pais.
    Quanto ao sono, ele deve gritar à noite para conseguir ir para sua cama. Ele já está na idade de dormir na cama dele. Apenas explique que cada um tem sua cama e que deverá dormir na cama dele. Quando ele gritar, volte, diga que é hora de dormir, cubra-o e saia. Na segunda vez, volte, cubra-o e saia sem falar com ele e sem olhar para ele. Faça isso quantas vezes for necessário. Ele deverá aprender que mesmo gritando, não conseguirá ir para sua cama. Algumas mães fazem isso até mais de 10 vezes.
    Tudo vai depender de sua persistência e firmeza.

  22. Obs.: Publicamos diretamente aqui, pois a resposta por e-mail retornou com erro de endereçamento.
    Perdi a autoridade sobre meu filho de 4 anos e não sei como recuperá-la. Já tentei várias formas, mas não tive sucesso e não sei mais o que fazer. Qual a orientacao?

  23. Marilena responde:
    Você não relata o tipo de disciplina que usou ou ainda usa com seu filho.
    Disciplina é necessária desde muito cedo.
    Se seu fiho não obedece a você, por exemplo, querendo pegar coisas de fato perigosas ou jogando, de propósito, coisas no chão ou batendo em você ou chutando, etc… você poderá usar o castigo como disciplina.

    Escolha um local na casa (que não seja quarto dele) e explique o porquê do castigo e que, desse momento em diante, quando ele não obedecer você, ele ficará de castigo.
    Diga que ele ficará 4 minutos (1minuto por cada ano de idade).

    Quando precisar então, leve-o até o canto da disciplina, deixe-o sentado lá.
    Se ele sair, volte com ele e explique de novo o motivo do castigo.
    Na terceira vez que ele sair, volte com ele (sempre o segurando pela mão), mas não diga mais nada e nem olhe para ele.
    Faça isso quantas vezes for necessário.
    Há mãe que fazem isso até mais de 10 vezes. Não importa. Na primeira vez será mais difícil, mas as idas e vindas irão diminuir depois de disso e ele aprenderá.
    Depois dos 4 minutos, vá até ele e pergunte se ele sabe porque ficou de castigo, de um abraço nele e saia com ele do local pela mão.
    Abaixe-se na altura dele, quando estiver explicando tudo isso.
    Esse processo só irá funcionar se você for firme e determinada.
    Comece logo, pois com o temmpo, a criança só se torna cada vez mais indisciplinada.
    Lembre-se no entanto, de não banalizar o castigo e usando-o por qualquer motivo.

  24. 14/04/2010 Comentário recebido:
    Ouso pedir a sua orientação. Meu filho se separou e minha ex-nora não quer mais ficar com a filha deles de três anos. Por causa do horário do trabalho do meu filho, eu que trabalho também, ficarei a maior parte do tempo com ela. Questões:
    1 – não sou um modelo de avó típica, mas amo minha neta e quero lhe dar o melhor, o que temo é que nosso relacionamento deverá passar do de avó, com todas as benesses, para o de mãe – que educa, chama atenção e orienta. Como devo fazer esta transição?
    2 – Claro que não vou falar mal da mãe , mas preciso de um exercício imenso para isso. Como uma mãe pode se recusar a ficar com uma filha? O que faço para explicar a ausência da mãe?

    Marilena responde:
    Sempre que ela pedir pela mãe, veja a possibilidade que tentar um contato por telefone com ela para que elas possam se falar ou diga simplesmente que ela irá falar com a mãe depois.
    O mais importante nesse processo é sua presença. ela precisa de uma figura feminina para que possa substituir a mãe no momento.
    Não se preocupe com a figura de mãe ou avó nesse processo, pois para ela o mais importante é ter você por perto.
    A dependência é super natural muito mais por causa da idade. Nessa idade a criança precisa da companhia da “mãe” ou substituta para praticamente TUDO.
    Quanto à independência, ela só virá bem mais tarde. Quando começar a escolinha, ela aprenderá a ficar mais independente.
    A leitura recomendada no blog da coleçao Imago, separada por idade é muito útil e você já poderá comprar o volume referente à idade dela. Isso ajudará bastante.

  25. 10/05/2010 Comentário recebido:
    Obs.: Publicamos aqui, pois a resposta enviada por e-mail retornou por erro no endereço.
    Meu filho tem 4 anos, muito inteligente, carinhoso comigo, porém ele rejeita meu marido. Só fica bem com ele quando eu não estou, às vezes, fico pensando que ele é assim pelo que eu passei durante minha gravidez. Sofri com ausência do meu marido. Ele anda muito teimoso. Já não sei mais o que faço. Porque não tenho muita paciência em casa. Até que ele não me dá tanto trabalho, mas nas casas dos outros, ele quer mexer em tudo não obedece se falo com ele. Não liga. Aí eu brigo, bato, ele chora pede desculpas, mas daqui a pouco faz tudo de novo… Eu trabalho e ele fica com minha mãe, às vezes, briga com ela , quer bater… às vezes do nada encrenca com alguma pessoa ao ponto da pessoa falar “oi ” para ele e ele brigar, acha ruim diz que não e para falar com ele… coisas assim. Já na escola as tias dizem que ele é muito carinhoso, esperto, ajuda todos não briga com ninguém. Sinceramente, não sei o que acontece, às vezes, as pessoas vem e dizem: “quando vc não está, ele não fica fazendo isso”. Será que a
    culpa é minha dele ter essa atitude? Eu não “dou mole”, dou carinho, mas, também, qdo ele faz algo errado grito, bato e, às vezes, ponho de castigo. Pelo amor de DEUS me ajude! não sei o que faço!

    Marilena responde:
    O comportamento mais agressivo, pode ser em retaliação à sua ausência.
    Crianças, nessa idade, ainda precisam muito da mãe e à medida que crescem percebem mais o que se passa ao redor.
    Se ele fica muito tempo longe de você, é natural que reaja dessa maneira perto de você.
    Verifique o tempo que você passa com ele, se brinca bastante com ele, se lê livros de estórias para ele, etc…
    Tudo isso é muito importante para seu filho. Nem o pai ou qualquer outro adulto substitui a figura da mãe.
    Invista seu tempo com seu filho o máximo que você puder.

  26. 16/05/2010 Comentário recebido:
    Agradeço pela sua disponibilidade a nós pais q/ ficamos as vezes s/ saber como agir. Aqui existem dúvidas de pais q/são as minhas tbem é q/ me ajuda c/ as suas orientações.
    Minha bb de 1 ano e 8 meses, não sei como corrigi-la qdo faz algo errado como por exemplo brigo c/ ela q/ não deve desligar o computador, ela vai e desliga mete o dedo em tudo q/ botão, bato na mão grito c/ ela, mas lá está fazendo de novo, as vezes a corrijo dando palmadas, fico com medo de estar agindo errado e faze-la c/ q/ se torne uma criança agressiva, é claro q/ não é sempre q/ faço isso, mas gostaria q/ me orientace de como faze-la me escultar e obedecer, ou nessa fase não tem como?

    Marilena responde:
    Nessa fase, a curiosidade é a tônica. Tudo é novo, diferente e a criança tenta a descoberta pelo tato.
    É super natural que ela tente tocar tudo o que vê e quando vê um adulto fazendo algo, imediatamente repete, pois o aprendizado é por cópia e associação.

    Você tem como evitar as brigas se, simplesmente, retirar TUDO o que ela não possa tocar, afastando dela qualquer coisa perigosa para que fique bem longe dela.

    Esperar que ela evite tocar é ir totalmente contra o impulso natural da criança nessa idade.
    Ajude sua filha nesse sentido, tirando o que for perigoso da vista dela.
    A evolução do aprendizado da criança depende muito dessa fase e deixe, portanto, que ela explore tudo o que puder, sem se machucar e sem atrapalhar você.

    Limpe sua casa dos objetos perigosos. Ela mais tarde, aprenderá o que pode e o que não pode pegar. Mas, bem mais tarde..

  27. Olá, tenho um filho de 2 anos e 6 meses. Eu e o pai dele somos namorados, mas não moramos junto. Ele vai comigo para casa do pai todo fim de semana e na segunda feira meu pai vai busca-lo. O que ocorre é que ele não está mais querendo vir embora, e está dizendo para mim que não gosta mais de mim e quer ficar na casa do pai… isso me deixa arrasada… o que eu faço?

  28. Marilena responde:
    Obs.: Estamos publicando a resposta diretamente aqui, pois a dada por e-mail retornou por erro no endereço.
    Seu filho está querendo ficar com os pais dele, com a familia dele. Essa situação inconstante, só está deixando-o dividido e infeliz… Crianças, nessa idade, precisam de algo sólido, estável e fixo, para que se sintam seguros e
    tranquilos. O vai-e-vém dessa situação não o está ajudando de nenhuma forma.

    Ele mesmo, nessa idade, tão precoce, já percebe isso e verbaliza isso para você. Pense nessa situação dividida que você e o pai dele estão causando, pois, na verdade, nesse relacionamento, vocês não estão priorizando a criança, mas somente vocês.

  29. Obs.: Estamos publicando aqui, pois a resposta enviada por e-mail retornou por erro de endereço.
    Oi, minha filha tem 2 e 3 meses, comecou ir pra escolinha tem 1 mes. Ela fica meio período, mas ela chora todo dia pra não ir, quando ela nasceu larguei meu emprego pra ficar com ela. Todo dia ela chora, quer me bater, fala que ñ quer ir pra escolinha, me xinga, parece que ela quer me enfrentar , grita muito, parece que apanhou , estou perdendo o controle com ela, ñ sei mais o que eu faço. Estou muito estressada, com meu marido é do mesmo jeito… Será que devo tirá-la da escolinha? Pois acho que ela esta cada dia pior. Ajude-me por favor. Estou desesperada com essa minha situação.

  30. Marilena responde:
    O ideal é que a criança vá para a escola por volta dos 3 anos e, portanto, você pode esperar mais, sem problema algum para o desenvolvimento dela.
    Lembre-se, no entanto, de buscar uma escola que tenha o processo de adaptação adequado; de 1 semana, com você do lado dela.
    Leia depois o artigo no blog sobre “Adaptação na Escolinha”.
    Se ele não for feito adequadamente, de nada adiantará e será nocivo para sua filha. Esse início de escola é super importante e ela precisa ser muito bem adaptada para que possa passar a gostar da escola e ficar nela.
    O meio período é o mais adequado, também, para que a criança volte para casa, possa dormir o sono da tarde e brincar com a mãe depois.
    Avalie tudo isso e busque uma boa escola que tenha esse processo. de adaptação.

  31. Obs.: Estamos publicand aqui, pois a resposta enviada por e-mail retornou por erro de endereço.
    Meu filho tem tres anos e tudo o q ele pega fica passando o dedinho para sentir a textura. Quando é algo aspero ele passa a unha para sentir melhor. Quando ele vai chupar a chupeta ele tem que pegar uma fraldinha e ficar bem de leve passando a unhinha e o dedinho, como se fosse uma coisa muito gostosa. Às vezes, fica horas, correndo ou concentrado, com um brinquedo na mão passando o dedo ou a unha para sentir a textura. Tento repreendê-lo pois acho esquisito, não parece coisa da idade dele. Isso não é para crianças mais novas? Quando tomo dele, peço para parar ele começa a brincar e observar os dedos e/ou a unha, não adianta mandar parar que ele não para.
    Outra coisa que ele gosta muito, desde que era bbzinho, é de olhar luzes e reflexos, sendo o reflexo dele ou reflexos de luz. Brigo bastante com ele, pois agora ele deu de querer olhar o sol; brigo e explico que faz mal para vista, mas é só virar de costa e lá está ele de novo olhando para o sol.
    Esse comportamento é muito estranho ou é nomal aos três anos ficar esperimentando textura e ser fissurado por luz? Como devo agir: repreender ou ignorar?

  32. Marilena responde:
    Nada de repreender seu filho por causa disso.
    Isso tudo é apenas curiosidade, como há crianças na idade dele que gostam de ficar vendo a lua, por exemplo.
    O melhor a fazer, é tentar substituir as coisas, pois crianças nessa idade são muito influenciáveis e quando estimuladas adequadamente, mudam de atitude rapidamente.
    Quando ele estiver olhando muito para o sol, por exemplo, tente distrai-lo com outra coisa, mostrando alguma coisa diferente e interessante para ele.
    Objetos com movimentos, por exemplo, são os que mais chamam atenção para meninos, como bolas coloridas e carrinhos e portanto, invista nesses brinquedos.
    Deixe que ele explore as texturas e superfícies, pois isso não é problema algum.

  33. 09/08/2010 Comentário recebido (M.A.B.):
    Preciso de sua ajuda de novo. Temos um menino de 4 anos(um menino) na creche. Há dois anos que fica conosco. Hoje ele fica parte da manhã e à tarde vai para escola.
    Ele sempre foi muito agressivo. Batia em qualquer colega, chegava a morder ele mesmo.
    É uma criança que sempre vem para creche com roupa suja, unha sem cortar e suja, cabelo sem corte.
    Sempre tive dificuldade para a mãe vir até a creche conversar comigo. Esta criança sempre falava “palavrões”, falava que ia matar.
    Quando os pais se separaram parou de falar palavrões e que ia matar alguém.
    Hoje a mãe tem outro companheiro e outra criança de meses. Mas, continuo com dificuldades em encontrá-la.
    Hoje nossa dificuldade com este menino é que ele sobe em lugar perigoso aqui na creche. Quando vou conversar com ele é dificil ter atenção dele.
    Ele não olha no rosto quando falo com ele, vira a cara e muitas vezes fala de outro assunto que não é o que eu estava chamando a atenção dele no momento.
    Ainda bate nos colegas mesmo sem que alguem tenha agredido ele. Por favor, oriente-nos.

    Marilena responde:
    Talvez, você só consiga alguma evolução com essa criança através do afeto, já que pelo seu relato, a situação que ele vive em casa, é meio complicada.

    Tente trazê-lo para mais perto de você nos intervalos e tentar entretê-lo, somente vocês dois.
    Isso fará com que o elo entre vocês fique mais afetuoso e você conseguirá “educá-lo” nessas horas de maior agressão.
    Primeiro afeto, para depois conseguir ser ouvida na disciplina.
    Tente dessa maneira.

  34. Tenho um filho de 2 anos e 2 meses, lindo, super saudável, mas que fala muito pouco, cerca de vinte palavras corretas e algumas pela metade. Percebo que ele não presta atenção quando estimulamos ele a falar, ele simplesmente vira o rosto ou fala alguma coisa que não tem nada a ver com o que nos falamos, não se interessa por falar. Ele não e uma criança muito amorosa com as pessoas, é só comigo e, às vezes, com o pai dele. Ele também esta numa fase que anda muito irritado, nervoso e, as vezes, muda de humor rapidamente do nada. Todas as crianças da idade ou até mais nova que ele já falam tudo. Fico muito preocupada, com medo que ele tenha algum problema neurológico. Que especialista devo procurar? Me oriente, por favor. Obrigada.

  35. Marilena responde:
    A fala varia muito entre crianças e não se preocupe ainda com o progresso dela. Ele, naturalmente, irá aumentando o vocabulário.

    Quanto ao humor é super normal que varie com muita frequência e isso irá até depois dos 3 anos. É dificil para ele controlar o humor, nessa idade, ainda tão cedo.
    Nao se preocupe com isso.

    A leitura recomendada no blog da Coleção Imago (<=link), separada por idade, é muito útil e ajudará você.

  36. É verdade meu filho começou a falar cm qause 04 anos, tmb ficava preocupada mas o pediatra sempre falava para esperarmos e aí dps do aniversario dele ele começou a falar e hoje é um tagarela. Bjs!!!

  37. MEU FILHO TEM 2 ANOS E 04 MESES E TODOS OS DIAS FAZ UM ESCANDALO PARA ENTRAR NA ESCOLA. JÁ TENTAMOS DE TUDO MAS ELE É TEIMOSO DEMAIS. OS COLEGAS CHEGAM A FUGIR TAMANHO O BARRACO QUE ELE ARMA. DIZEM AS PROFESSORAS QUE 05 MINUTOS DEPOIS ELE FICA NORMAL. O QUE FAZER? O QUE ESTA ACONTECENDO?

  38. Marilena responde:
    O importante é saber se ele já está na escola há muito tempo ou se começou recente. Isso é fundamental.

    Outro ponto é saber se foi feito o processo de adaptação como deve ser feito. Leia depois no blog o artigo sobre “Adaptação na Escolinha” (<=link).

    Muitas vezes a criança não passa por esse processo, conforma-se em estar lá, mas depois, bem mais tarde, as sequelas começam a acontecer, pois quanto mais a criança cresce, mais entende o que se passa com ela. Talvez seja isso que esteja acontecendo com seu filho.

    Lembrando que o ideal é que a criança entre na escola por volta dos 3 anos, pois antes disso não há socialização e a criança, nessa idade, precisa muito mais da companhia da mãe do que da escola.

    Nesses primeiros anos, é fundamental que a criança fique na presença da mãe para que tenha um desenvolvimento emocional saudável e equilibrado.

    Veja se existe uma necessidade real de seu filho iniciar já tão cedo na escolinha.

  39. 14/09/2010 Comentário recebido:
    eu tenho uma filha de 3 para 4 anos e ela anda muito nervosa, batendo em mim que sou Pai, e na mãe dela, ela esta co muitos ciumes das coisa dela, e tudo acha que e dela e anda chorando muito eu e minha esposa estamos preocupados e que devo fazer?

    Marilena responde:
    Se ela já está na escola, talvez tenha acontecido algo na sala de aula.
    Se ela começou recentemente na escola, verifique se ela passou pelo processo de adaptação de forma adequada. Leia depois o artigo no blog sobre “Adaptação na Escolinha”.
    Verifique se houve, também, alguma mudança em casa como; mudança de empregada, mudança de casa, etc…
    Tudo isso interfere na criança, nessa idade, e ela reage como se os pais fossem responsáveis sobre qualquer mudança na vida dela.
    Verifique, também, se ela tem passado um bom tempo na companhia da mãe nas brincadeiras, etc…..
    Retorne depois.

  40. 17/09/2010 Comentário recebido:
    Ola, estou lhe escrevendo porque estou em agônia como comportamento do meu filho de 2 anos e 6 meses, ele é uma criança bastante inteligente e já tem um vocabulário bastante avançado para idade dele. Contudo recentemente ele vem apresentando um comportamento que tem me incomodado bastante, há dias em que ele já acorda tremendamente irritado e permanece neste estado por todo o dia, quando vou falar, ele me olha como se estivesse com muita raiva, e tenho a sensaçõde que se ele pudesse me agrediria. Ele ainda pede alguma coisa e quando vou dar ele fala que não quer mais. Na escola as professoras dizem que ele é tranquilo e amoroso, antes ele tinha momentos normais de irritação em casa mas agora é quase todos os dias, estou muito angustiada pois trabalho fora o dia todo e quando chego em casa ele me recebe mal e não consigo lhe dar afeto. Além disso qulquer pessoa que o aborda ele mostra a lingua e ameaça bater. Estou tentando ter o máximo de paciência e carinho mas
    estou me sentindo muito frustrada pois tenho uma filha de 11 anos e nunca passei por nada pareceido. Por favor me de alguma orientação ou me indique uma literatura que possa me auxiliar.

    Marilena responde:
    Crianças quando chegam perto dos 3 anos começam a apresentar um humor bastante instável. Do bom humor passam rapidamente ao mau humor, sem aparentemente razão alguma. Isso vem “do nada” e muitas mãe ficam apreensivas. Pode-se dizer que a tônica do comportamento da criança de 3 anos é a instabilidade de humor. Isso é a marca da idade de 3 anos.
    No entanto, se você trabalha fora e esse humor está constante no seu filho, veja o tempo que você tem gasto com ele quando chega em casa. Crianças, nessa idade, ainda precisam muito da mãe e se ele fica o dia todo então na escola, isso se acentua mais ainda.
    Lembrando que ele reage logo mostrando a língua e querendo bater, pois ainda está com 2 anos e nessa idade não existe socialização. Ou seja, nada de “bons modos” nessa idade.
    O vocabulário pode estar evoluindo muito bem, mas a única maneira de uma criança de 2 anos se expressar é através do comportamento, E isso sem exceção!
    Portanto, não se preocupe tanto com isso e sim com o tempo que você precisa ter com ele quando chega em casa.
    isso sim, é fundamental na vida dele para que ele tenha um desenvolvimento emocional saudável e equilibrado.
    Separe alguns brinquedos que ele mais goste, como carrinhos, jogos de empilhar, etc…. e separe, também, livrinhos de estórias para contar a ele.
    Passe o maximo de tempo que você puder, pois só assim você poderá recuperar o tempo perdido e resgatar o vínculo afetivo com ele.
    Ele, de certa forma, mostra uma certa “rejeição” a você quando você chega em casa e isso só demonstra que ele sente sua falta. Essa manifestação de rejeição, você pode corrigir através do tempo de atenção que você der a ele. Só depende de você.

  41. Obs.: Estamos publicando aqui, pois a resposta enviada por e-mail retornou por erro de endereço.
    16/09/2010 Comentário recebido:
    Tenho um filho de 7 anos e 8 meses de idade. Ele é super carinhoso, às vezes muito nervoso também.
    Mas ele parece ter idade de criança de 3 a 4 anos, muito imperativo.
    Ele hoje está cursando a 1ª série ensino fundamental, muito lento no aprendizado da escola e, também, fala coisas que não tem a ver com o assunto em que tratamos.
    Que atitude devemos tomar?

    Marilena responde:
    Se ele é apenas lento no aprendizado e não há reclamações da escola quanto à isso, então não há problemas.
    Às vezes, somente uma ajuda nos estudos será suficiente, com seu acompanhamento e supervisão.
    O fato de falar coisas fora do assunto, na maioria das vezes, só demonstra que a criança tem tanta informações na cabeça e pensa em tantas outras coisas ao mesmo tempo que simplesmente “se perde” no assunto focado.
    Geralmente, nessa idade, eles se distraem facilmente pensando em mil coisas diferentes e com uma atenção muito reduzida.
    Procure jogar dama com ele ou outros jogos de tabuleiro que possam forçá-lo a manter a atenção; ou seja, manter um foco.
    Caso você se sinta ainda muito insegura quanto a isso, para investigar mais a fundo, você poderá buscar uma psicopedagoga para que ela possa fazer uma avaliação mais detalhada do comportamento dele.
    Na própria escola eles poderão lhe indicar alguém.

  42. 08/10/2010 Comentário recebido:
    Obs.: A resposta enviada por e-mail retornou por erro no endereço.
    MINHA FILHA TEM 2 ANOS E UM MES. ELA É MUITO TEIMOSA, CHORA POR QUALQUER COISA NÃO OBEDECE. ELA NÃO CONSEGUE FICAR PARADA, SEMPRE TEM QUE ESTAR MEXENDO EM ALGUMA COISA. SE ELA NÃO CONSEGUE FAZER OU MEXER ELA JOGA AS COISAS NO CHÃO E CHORA MUITO. ELA ESTÁ FICANDO INSUPORTÁVEL DE MAIS. EU JÁ NÃO TENHO MUITA PACIÊNCIA. ELA CONSEGUE ME DEIXAR IRRITADA, MUITO FÁCIL. NÃO ME DEIXA FAZER NADA SÓ QUER COLO, DEPOIS QUE ELA ENTROU NA CHECHE ELA PIOROU MUITO. SOCORRO!!! NÃO SEI O QUE FAZER.

    Marilena responde:
    Sua filha tem um comportamento perfeitamente NORMAL dentro do seu relato.
    Principamente, por já ter entrado na creche tão cedo.
    Nessa idade, a criança ainda precisa ficar ao lado da mãe para que tenha um equilíbiro emocional, saudável e equilibrado.
    O ideal é que a criança entre na escola somente aos 3 anos, mesmo porque antes disso, NÃO há socialização.

    O que acontece é exatamente isso que você vem observando na sua filha. Ela “piorou” mais ainda.
    Se você não fez o processo de adaptação, então, pior ainda.

    O fato de querer mexer em tudo, também, é super normal. Aliás, essa é uma característica dessa idade. A criança explora o que vê e, portanto, ela precisa de espaço e liberdade para fazê-lo. Retire tudo o que for perigoso da vista dela dentro de sua casa, evitando assim, banalizar o “NÃO”. Em vez de dizer sempre “NÃO” todo o tempo, você usará o “NÃO” quando, de fato, for necessário.

    Deixe que ela pegue as coisas; lembrando que se você mora em apartamento, ela provavelmente não tem muito espaço (o que crianças precisam, nessa idade) e isso é mais um motivo para ela ficar irrequieta.

    Sempre que você puder, saia com ela para espaços amplos. Crianças precisam dessa liberdade para que desenvolvam sua auto-confiança.
    Ajude sua filha nesse sentido
    Leia no blog o artigo sobre “Tempo com filhos”.

  43. Gostei muito do seu site. Preciso de sua ajuda. Meu filho tem 2 anos, ele é bem agitado, não para um minuto o dia todo, agora estamos preocupados com suas “birras” quando tiramos algo dele, ou negamos alguma coisa. Se joga no chão, grita, e chora. Além do mais, ele morde, bate, puxa o cabelo quando é contrariado. Estamos preocupadíssimos. Marilena, as vezes ele esta brincando com o pai, comigo ou com um tio, do nada ele morde ou belisca… é incrível. Estamos tentando deixando ele de castigo, quero seu auxilio.

  44. Marilena responde:
    Seu filho tem um comportamento aparentemente normal, pelo seu relato.

    Meninos, então, são bem mais agitados que meninas.
    Nessa idade, não existe socialização e, portanto, esperar um “bom comportamento” da criança é inútil.
    Fazer birra é supercomum e o problema está em ceder quando ele é contrariado. Se a mãe cede, ele sempre irá fazer birra na situação seguinte.

    Seja firme, quando ele, de fato, não puder pegar o que for perigoso, por exemplo.
    Retire do alcance da vista dele, qualquer objeto que seja perigoso ou enfeite de casa que ele não possa pegar. isso evitará que você banalize o “NÃO”.

    Querer evitar que ele pegue algo que está exposto, é esperar demais de uma criança, nessa idade. Nessa fase ele está explorando tudo o que vê e isso é perfeitamente normal. Afinal, ele precisa disso para se desenvolver no aprendizado.

    Mordidas, puxões de cabelo, tapas, São, também, comuns nessa idade e você deve dizer que isso faz dodói e que você não gosta disso. Se ele fizer de novo, saia de perto dele e deixe-o sozinho (garantido que não tenha nenhum risco para ele) e ele aprenderá que isso afastará você dele.

    Esse aprendizado é lento, pois somente mais tarde, perto dos 4 anos ele poderá controlar (na maioria das vezes) esse impulso.

    A leitura recomendada no blog da Coleção Imago (<=link), separada por idade, é muito útil e ajudará você.

  45. 25/02/2011 Comentário recebido:
    Minha filha tem 2 anos e onze meses. Ela está indo na escolinha, mas não quer brincar com as crianças. Ela grita muito para não ir a escola e quando ela fica nervosa ela bate na cabeça e dá tapas. Não sei mais o que fazer, porque fora da escola ela é normal gosta de brincar com as outras criancas.

    Marilena responde:
    Sua filha tem um comportamento perfeitamente normal, nesse caso.

    O ideal é que a criança, nessa idade, fique na presença da mãe e comece na escola somente por volta dos 3 anos e assim mesmo por meio período. Mesmo porque, aos 2 anos, não existe socialização e ela só irá se completar por volta dos 3 anos. Antes disso a criança percebe outra criança como ameaça e por isso acontecem os puxões de cabelo, mordidas, tapas, etc…

    Para que sua filha tenha um desenvolvimento emocional saudável e equilibrado é necessário que ela fique com você em casa.
    Nessa idade, sua companhia é fundamental e nem a escola é tão necessária nessa quanto sua presença. Lembrando ainda que não haverá nenhuma diferença se ela começar a escola aos 3 anos.

    Sua filha, portanto, se desespera ao ficar longe de você, pois com dois anos, a sensação que ela tem é de desamparo e de abandono.
    Além de tudo, quando sua filha inicar a escola verifique se a escola possui o período de adaptação completo. Leia depois no blog o artigo sobre “Adaptação na Escolinha” (<=link).

    Se você pode ficar com sua filha em casa, faça isso por ela.
    Socorra-a, nesse sentido!

  46. Olá, trabalho em uma creche com 15 crianças de 0 a 2 anos, gostaria de saber como poder controlá-las e quais comportamentos são normais nessas idades e com tantas crianças. Pois, meus colegas de trabalho cobram um comportamento excepcional delas e não sei como reagir a isso. Por favor me responda hoje a minha pergunta. Obrigada.

  47. Você encontrará no blog o artigo sobre as caracteristicas da criança de 2 anos (<=link) e a leitura recomendada para essa idade, da Editora Imago.
    Nessa idade, controlar crianças é praticamente impossível, pois elas estão na fase do aprendizado e descoberta. No entanto, crianças são altamente influenciáveis e toda valorização do que se faz capta a atenção dela. O conteúdo pedagógico é o único chamariz para que elas possam se entreter. Converse com a pedagoga sobre isso, na sua escola.

  48. Obs.: Publicamos aqui, pois a resposta enviada por e-mail retornou por erro de endereço.
    Tenho um filho de 2 anos e ele não obedece, quando vou falar com ele. Falo firme, porém ele não me olha e fica rindo e fica me desafiando. Lógico que acabo perdendo a paciência e infelizmente acabo batendo, mas não gostaria de fazer isso. Meu marido acha que tem que bater e punir, fico angustiado. Mas percebo que meu filho nos desafia a todo momento. Como devemos agir?

  49. Marilena responde:
    Seu filho ainda não entende exatamente o que pode ou não pode fazer.

    Você, no entanto, deve segurar a mão dele caso ele queira bater em você, por exemplo. Saiba, no entanto, que crianças são altamente influenciáveis e você poderá conduzí-lo a “esquecer” o que estava fazendo e a se interessar por outra coisa.

    Retire, no entanto, tudo o que ele não puder pegar e que seja perigoso, pois ele está na idade de explorar todo o ambiente e precisa se desenvolver nesse sentido. Ter a ousadia em explorar ambientes é importante e caso isso não aconteça, a criança acaba ficando tímida.

    Se ele for bater em você (nessa idade a criança ainda não sabe verbalizar os sentimentos e se manifesta através do comportamento) apenas segure a mão dele.

    Dentro de mais alguns meses você já poderá usar com ele o processo da disciplina, tal como descrito no link Comportamento/Disciplina .

    Recomendo a leitura da Coleção Imago, separada por idade. É muito útil e ajudará você.

  50. Olá eu adorei este site, achei muito interessante para mim porém gostaria de enviar um comentário sobre minha filha de 3 anos e meio:
    Ela é uma menina adorável,alegre, se adapta fácil com outras crianças, mas ultimamente tem dado muito trabalho para se arrumar… Minha dificuldade é que ela não me obedece mais, não veste o que escolho para ela, não quer por tal roupa, sapato em fim…nada está bom… não sei o que fazer,chego atrasada na escola quase todos os dias por causa disso, é muito difícil arrumá-la para sair de casa…estou estressada…., pois as vezes fico em dúvida se compro um sapatinho ou uma roupinha porque não sei se vai vestir….o que devo fazer?

  51. Marilena responde:
    O comportamento de sua filha é perfeitamente normal para a idade dela.
    Nessa fase, a criança “cisma” com determinadas roupas, sapatos, coisas, etc….

    É preciso que você restrinja as opções de sua filha. Retire do guarda-roupa e gavetas, roupas que ela, por exemplo, não poderá usar no verão. Quando você for sair com ela, separe e coloque na cama dela, apenas 2 ou 3 opções de roupas, assim como somente 2 tipos de sapatos. Diga para ela escolher. Caso ela diga que não quer nenhum dos 3, diga que só tem estes e saia de perto dela por um tempo. Volte depois e pergunte qual ela escolheu. Caso ela se demore defina você o que ela irá usar.
    Caso ela não queira, diga que ou ela usa o que você escolheu, ou ficará sem sair com você. Sai de perto novamente.

    É necessário que, nessa idade, a criança que não sabe escolher ainda e não tem a noção exata do que deve vestir, aceite a orientação da mãe. Mesmo porque a criança nesse fase precisa aprender a lidar com a frustração, caso contrário, se tornará um adulto infantilizado. sem saber lidar ou mesmo aceitar quando algo não sai exatamente como planejava.

  52. 28/01/2012 Comentário recebido:
    Olá gostei muito deste site. Tenho uma dúvida, tenho uma filha de 1 ano e 8 meses e até o momento ela convive apenas comigo e meu marido, pois moramos em uma cidade sem nenhum parente por perto, e não temos muitos amigos por aqui. Até o sétimo mês ela foi um bebê que ia ao colo de todos, mas desde então não aceita ninguém nem mesmo os avós. Ela chora desesperada sempre que alguém tenta se aproximar, quando vamos para casa de outras pessoas, chora a noite toda e não desgruda nen um instante de nós pais, até para tomarmos banho temos que colocá-la dentro do banheiro conosco, pois ela não fica com ninguém. O pediatra que a acompanha, disse que ela está demais e me aconselhou que eu a colocasse em uma escolinha para que ela possa se socializar. E tem outra coisa muito importante ela nunca, mas nunca mesmo dormiu a noite toda, ela acorda umas quatro vezes durante a noite procurando pela chupeta. Tô exausta, não sei mais o que fazer será que a escolinha vai ser a solução? Preciso de um conselho. Muito obrigado!!!

    Marilena responde:
    A solução NÃO é colocá-la na escolinha!
    O ideal é que a criança comece na escola somente por volta dos 3 anos ou mesmo até 3 anos e meio.
    Isso porque aos 2 anos, NÃO existe socialização, por isso é tão comum as brigas, tapas e puxões de cabelo, nessa faixa etária. A socialização começa A PARTIR dos 2 anos e irá se estabelecer POR VOLTA dos 3 anos variando mesmo assim entre crianças. Por isso comportamentos agressivos são perfeitamente normal dentro dessa situação. O mais importante, nesta idade, é que a criança fique na companhia da mãe para que tenha um desenvolvimento emocional saudável e equilibrado. É a fase do fortalecimento do vínculo emocional com a mãe, importantíssimo para a vida futura.
    O comportamento de sua filha é perfeitamente normal para a idade dela.
    Nessa fase a criança fica “grudada” na mãe, pois é a idade de se formar o vínculo com a mãe. Isso é saudável e muitos pais se ressentem em ficar em segundo plano, pois a criança só quer a presença da mãe.
    Não se preocupe em relação a isso!
    Escola, somente por volta dos 3 anos!
    Quanto ao banho, deixe sempre com ela algum brinquedo(garantida a segurança da criança), ou algum DVD que ela possa ver enquanto você toma banho. Pouco tempo na TV não irá prejudicar nem viciar sua filha.
    Quanto à chupeta, compre várias chupetas e deixe perto dela. A criança saberá que basta estender a mãe para que encontre alguma. Compre todas iguais (umas 7 ou 8). Geralmente, ajuda bastante!
    Recomendo a leitura dos livros da Coleção Imago (<=link), separada por idade. É muito útil e ajudará você.

  53. 24/09/2011 Comentário recebido:
    Oi, meu filho tem 2 anos e 7 meses e está com um comportamento estranho. Quando acordo e começo a me arrumar para o trabalho ele fica chorando e pedindo para que eu tire e roupa que quer dormir com mamãe… ai a babá o leva para escolinha… a maioria das vezes quando chego do trabalho de 6 horas, ele me abraça. Mas, quando percebi que a babá vai embora, ele fica mandando eu ir trabalhar que não quer mamãe não… quer a babá!!!! Estou muito triste acho que ele gosta mais da babá do que de mim :(. Brinco e dou, muita atenção. O pai dele viaja muito… então meu filho passa o dia praticamente inteiro com a babá. Gostaria de saber como lidar nessa situação?

    Marilena responde:
    Nessa idade, a criança precisa muito da presença e companhia da mãe para que tenha um desenvolvimento emocional saudável e equilibrado. Além disso, a criança precisa criar um vínculo forte e profundo, nessa idade, com a mãe e quando a mãe esta ausente, a criança cria esse vínmculo com a figura feminina que estiver com ela; no seu caso, a babá.
    Quanto mais a babá ficar com ele e quanto mais ausente (em horas) você ficar longe de seu filho, mais essa situação será reforçada.
    Veja a a necessidada real de você precisar trabalhar fora ou uma outra alternativa para que você possa trabalhar meio período.
    Caso isso seja impossível, será dificil contornar essa situação, pois ele está apenas expressando o sentimento de “abandono” que sente e da necessidade de ficar com você.
    Verifique tudo isso.

    Leia, no blog os artigos (links):
    Tempo com os filhos e Depoimento de uma Mãe

  54. Obs.: publicamos diretamente aqui, pois a resposta enviada por e-mail retornou por erro no endereço.
    Tenho uma menina de 2 anos e 7 meses. Faz 2 semanas q ela ta frequentando a creche, só que o comportamento dela ta muito estranho, ela nao ta querendo dormir mais no berço. Ela acorda de madrugada aos gritos e quer ir pro sofa, pede pra ligar a televisao e fica chorando alto. Tento me aproximar ela grita. Nao quer eu, só a mae dela, e nao para de chorar e de gritar, ai pega no sono e fica na sala mesmo, mas de repente acorda ao gritos de novo, e isso ja faz 2 semanas que ela esta assim e nao sabemos o que fazer, ela nao era assim, me de uma ideia sobre isso.

  55. Marilena responde:
    Ela começou cedo na escola.
    O ideal é que a criança comece na escola somente por volta dos 3 anos ou mesmo até 3 anos e meio e, assim mesmo, por meio período e fazendo todo o processo de adaptação. Isso porque aos 2 anos, NÃO existe socialização, por isso são tão comuns as mordidas, brigas, tapas e puxões de cabelo, nessa faixa etária.
    A socialização começa A PARTIR dos 2 anos e irá se estabelecer POR VOLTA dos 3 anos variando mesmo assim entre crianças. Por isso comportamentos agressivos são perfeitamente normais e acontecem com frequência.
    O mais importante, nesta idade, é que a criança fique na companhia da mãe para que tenha um desenvolvimento emocional saudável e equilibrado. É a fase do fortalecimento do vínculo emocional com a mãe, importantíssimo para a vida futura.

    Além disso, você não relata se fez o processo de adaptação na escola.
    Ele é super necessário para que a criança fique bem.
    Leia o artigo link: Adaptação na Escolinha .

  56. 23/08/2012 Comentário recebido:
    Olá, Gostaria que me orientasse sobre o comportamento da minha filha de 2 anos 2 meses, que sempre foi muito arisca com as pessoas inclusive as da família e ultimamente tem acrescentado com choro, timidez e um pouco de medo quando as pessoas tentam se aproximar dela. Minha sogra fala que é porque ela não tem contato com muita gente. Ela fica comigo em casa, mas procuro sair com ela ao máximo respeitando os limites dela, mas esta ficando difícil. O QUE FAZER???

    Marilena responde:
    Sua filha tem um comportamento perfeitamente normal para a idade dela. Nessa idade não existe socialização, pois ela só começa a partir dos 2 anos e irá se estabelecer POR VOLTA dos 3 anos ou mesmo mais. Por isso a criança deve somente iniciar na escola por volta dos 3 anos ou mais. Antes disso, ela evita e não gosta do contato com adultos estranhos que poderão ser, inclusive, os avós, parentes etc…

    A mãe é a única pessoa a quem a criança não estranha e mesmo em relação ao pai, a criança dessa idade muitas vezes o evita, dando preferência, à mãe.

    Portanto, esse comportamento não está relacionado de modo algum ao fato dela ficar somente com você em casa.

    Recomendo a leitura dos livros da Coleção Imago (<=link), separada por idade. É muito útil e ajudará você.

  57. Obs.: Publicamos diretamente aqui, pois a resposta enviada por e-mail retornou por erro de endereço.
    Olà,meu filho completou 2 anos e grita bastante,alem de gritar e agressivo com as pessoas eu nao sei mais o q fazer,e tb ainda mama,chega acordar 5 x a noite para mamar,tem 2 anos q nao sei o q è dormir direito,ando muito stressada,ele tb sò come alimentos homogenizado,nao mastiga ainda,tentamos dar,mais ele se engasga e vomita,a pediatra disse q era normal,nem mamadeira ele toma pq nao gosta do sabor da borracha….me ajude por favor!!

  58. Marilena responde:
    É provável que ele acorde tanto à noite porque sente fome.

    Se ele somente mama e come pouco, o leite, de fato, não o alimenta mais nessa idade. Seria preciso que você aumentasse a alimentação e diminuisse o leite materno. Imagino, também, que você nem tenha tanto leite assim.

    Agressividade, nessa idade, é normal.
    Leia (link) A Mente de 2 a 4 anos.

    Converse com o pediatra, novamente, para verificar se você precisa continuar com o aleitamento materno nessa idade.

    Recomendo a leitura dos livros da Coleção Imago (<=link), separada por idade. É muito útil e ajudará você.

  59. olá, achei o site intressante. Meu filhote tem 1 ano e 8 meses e é uma criança bastante carinhosa, as vezes acho que de tanto eu dar bronca nele, ele tem um pouco de medo de mim, as vezes so de eu olhar para ele, ele ja deixa de fazer o que tava fazendo, assim como das vezes quando falo com ele, ele se irrita e do jeito dele reclama, brigo com ele, porem penso que ele nao entenda o bastante o que é castigo, mas tambem ainda nao tentei deixa-lo de castigo porque acho que n iria resultar em nada. outra coisa, algumas vezes o pai dele ensina algumas coisas que eu nao gosto, tipo: ¨bate meu filho, bate¨, ¨como é que tua mae fala¨. eu acho isso completamente errado, brigo com meu marido ele diz que so ta brincando com a criança, eu sinceramente nao gosto, pois acho uma pessima influencia para o aprendizado dele. AH, ele ainda nao fala, isso pode ser algum problema, levei no medico, mas ele disse que e norma. Eu to certa ou errada, me ajude a entender melhor por favor.

  60. parabéns pelas dicas, ajudam muito a entender as crianças. Olá, meu filho tem 1 ano e 8 meses e ainda mama, ele come normal, cafe da manha, almoço e janta, entretanto bem pouco, penso que ele esteja viciando no peito porque ele esta mamando mais do que antes, ele nao gosta de mamadeira nem de leite, nem mingau e nao foi por falta de tentativas , mas desde de seis meses quando fui tentar dar ele nao aceita de jeito nenhum, preciso que vc me diga o que posso e como fazer para ele gostar por favor me ajude. bjs

  61. Marilena responde:
    A alimentacão deve ser questionada com o pediatra.

  62. Marilena responde:
    Quanto ao comportamento dele, de fato, ele ainda é muito novinho para entender o castigo.
    O “NÃO” deve ser dito, mas o leia o artigo (link) Comportamento, Disciplina, Agressividade.
    Ele não deve ser incentivado a bater, é claro e a a leitura recomendada ajudará a entender melhor seu filho.
    Recomendo a leitura dos livros da Coleção Imago (<=link), separada por idade. É muito útil e ajudará você.

  63. Boa noite… Super concordo com vc em relação a socializar a criança com menos de 1 ano ou ate 2 anos na escolinha é um erro gravissimo e estou sentindo na pele… sou contra, mais por ouvir a maioria das pessoas que conheço dizer que é bom para ela… finalmente achei esse site… onde concordo!!!!

  64. Obs.: Publicamos diretamente aqui, pois a resposta enviada por e-mail retornou por erro de endereço.
    Estou completamente desesperada e perdendo facilmente a paciência com meus filhos que são 3. Os meninos, um tem 6 anos e o outro 4, não obedecem enfrentam, brigam e estão sem horário e limite para tudo. A menina de 1 ano e meio está imitando o que os irmãos fazem… Grita muito, joga os objetos e bate muito na gente…faz pirraça, se jogando para trás e se contorcendo toda, as vezes se machuca a toa, não gosta de jeito nenhum que chamem sua atenção… Por favor, o que fazer nessa situação? Quero que meus filhos cresçam em um ambiente agradável e feliz. Fabiana

  65. Marilena responde:
    Colocar limites e disciplina é importante em qualquer idade e começa desde muito cedo.
    Leia o artigo Disciplina e comece a usar com eles.
    (link) Comportamento/Disciplina .

    Para a menina, no entanto, essa é uma idade em que ela se expressa através do comportamento, pois ainda não tem vocabulário suficiente.
    Diga: “NÃO! quando for preciso e saia de perto dela , garantida a segurança dela, para que ela não tenha plateia para a cena da birra.

    Recomendo a leitura dos livros da Coleção Imago (<=link), separada por idade. É muito útil e ajudará você.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s