A Comunicação Não Verbal

A comunicação não verbal, que acompanha o homem desde o seu nascimento, aparece através de gestos, olhares, toques e é tão essencial quanto a verbalização, pois através dela consegue-se transmitir a rejeição, o afeto, a empatia, o descaso e naturalmente o amor.

Em diversas passagens da Bíblia podemos encontrar a comunicação não verbal. Em João 13:23 vemos o “discípulo amado” aconchegado a Jesus, demonstrando afinidade e confiança n’Aquele que estava a seu lado. Igualmente em Marcos 14:3-9 vemos a atitude a mulher que leva um vaso de alabastro com perfume de nardo puro quebrando-o e derramando-o sobre a cabeça de Jesus. Mensagem transmitida pela mulher, porém, foi compreendida somente por Jesus, pois os que estavam ao redor diziam: “Para que este desperdício de bálsamo tão caro?”.
Há também a mulher que lava os pés de Jesus secando-os com os cabelos, demonstrando reconhecimento da pessoa de Jesus.
No dia-a-dia impregnamos nossa realidade com esse tipo de comunicação. Desse modo, tanto na amizade como na vida a dois, ela interfere no relacionamento, fazendo parte de um conjunto de mensagens codificadas através das quais nos expressamos.
No casamento é comum um dos parceiros transmitir sua insatisfação e frustração através da comunicação não verbal.

FALANDO POR MEIO DO SILÊNCIO

O silêncio é um dos preferidos. Através dele,  tento mostrar minha irritação ou descontentamento por algo que houve. Caso meu cônjuge não perceba que algo anda errado, minha insatisfação é maior ainda. Para muitos, o marido ou esposa teria a obrigação de “entender” essa minha atitude. Se me calo, essa pessoa que está comigo, teria que adivinhar o que está atrás desse meu silêncio. À medida que passa o tempo e isso não é percebido, meu silêncio agora tem outro objetivo que é a punição. Propositadamente, eu agora me calo porque ele não foi capaz de entender o fato real que me levou àquela postura. Para o cônjuge, viver esta situação é agonizante, pois é exigida uma mente telepata, sobrenatural.

A ARMA DA INDIFERENÇA

A indiferença aparece também como uma outra forma de comunicação não verbal. O cônjuge torna-se indiferente em re1ação aos assuntos da casa, das crianças, da intimidade sexual, etc. Este último, comumente usado pela mulher quando tenta dizer que algo anda mal. O homem geralmente usa seu horário de chegada do trabalho como sinalizador igualmente importante. “Chego tarde porque é melhor ficar no trabalho do que em casa entrando em choque na tentativa de entender-me com ela. Pelo menos no trabalho consigo evitar essa atitude tão desgastante.”

Os amigos também são usados nessas circunstâncias: “Já que é difícil ficarmos juntos, o melhor é estarmos rodeados de amigos o tempo todo”. Neste caso, usa-se o amigo como escudo para preencher o tempo que provavelmente seria passado com o cônjuge.
Uma hiper-atividade solitária também é uma maneira de demonstrar que algo anda mal, ou seja, preencher todo o tempo sem incluir o companheiro. A afetividade também fica bloqueada, resultante dessa situação vivida.

A COMUNICACÃO NÃO VERBAL QUE FORTALECE A RELAÇÃO

Naturalmente esses são tipos de comunicação não verbal destrutivas, que empurram a situação não resolvida para adiante, protelando-a indefinidamente, minando a relação amadurecida e adulta. O lado amadurecido tem como conseqüência uma comunicação que fortalece a auto-confiança e a segurança do casal.

O olhar de cumplicidade e de incentivo enquadra-se na comunicação não verbal positiva

O marido que separa tempo para estarem casa ou sair com a esposa, está dizendo que mesmo dentro do intrincado esquema de trabalho essa convivência faz parte de suas prioridades.
O olhar de cumplicidade e de incentivo também se enquadra nesta positividade da comunicação não verbal. O momento da dor é especialmente impregnado dessa atitude. O toque momentâneo ou prolongado, a simples presença. mesmo no silêncio, funcionam como uma alavanca para o fortalecimento pessoal.

Não podemos nos esquecer, no entanto, que a verba1ização é igualmente importante. À medida que falo sobre meus sentimentos, sobre aquilo que me incomodou e que não foi suficientemente explicado e resolvido, fortaleço meu entendimento com meu cônjuge e posso confirmar ou não aquilo que foi interpretado por ele na minha comunicação não verbal. Minha atitude de silêncio muitas vezes não significa que escondo algo por trás dela. No entanto, as falsas interpretações podem acumular de fantasmas a imaginação do outro, o que seria igualmente complicado na relação.
Por isso, necessito deixar claras minhas atitudes e expressar-me sem rodeios, destruindo assim os fantasmas antes que se tornem grandes e imbatíveis.

Publicado originalmente na Revista Casal Feliz (Ano V – No.22)

4 opiniões sobre “A Comunicação Não Verbal

  1. 02/09/08 Comentário recebido:
    A comunicação não verbal que não fortalece a relação, é o que está acontecendo comigo.
    Estou vivendo no meu casamento uma suposta traição. Meu marido teve uma outra mulher. Essa mulher trabalha com ele e eu não consigo aceitar isso.
    Já estivemos conversando sobre isso, só que não consegui expor meu real sentimento. A decepção foi muito grande. Estamos juntos no casamento há mais de dez anos e no começo desse ano veio essa minha desconfiança, só que as evidencias foram muito grandes, mesmo que ele fale que não houve nada não consigo aceitar isso.
    Acho que tenho que falar para ele tudo que eu senti e estou sentido ainda, sou uma dona de casa que dediquei minha vida todo a minha familia e com muita satisfação, só que com essa situação estou me sentindo arrasada.
    Preciso falar da minha mágoa com ele só que não consigo, acho que tenho medo do que ele vai pensar, do que ele vai falar. Só que com essa minha insegurança esta mexendo muito com meus filhos.
    Preciso falar com ele, mas não consigo. Estou precisando de uma ajuda, estou ficando louca com isso

    Marilena responde:
    Seria bom que você conseguisse uma pessoa intermediária que pudesse lhe ajudar.
    É difícil para voce inicar uma terapia com terapeuta familiar que pudesse introduzir seu marido depois?
    Caso fique difícil para voce, não importa muito (à essa altura) o que ele pensa ou vai dizer, mas sim o que você sente e precisa dizer.
    Pensando em você, talvez, encontre coragem para verbalizar tudo isso ou você começará a numa comunicação não verbal, por exemplo., sendo agressiva com ele, desvalorizando o que ele faz e ele não poderá supor que a raiz disso tudo é sua mágoa. Pense sobre isso.

  2. Super interessante a colocação da autora mostrando os dois lados da comunicação não verbal. Foi possível notar o lado positivo desta comunicação, quando mostra a maneira dos personagens bíblicos reagirem perante Jesus. Também o lado ruim quando o cônjuge não consegue perceber o que seu esposo ou esposa quer transmitir através da comunicação não verbal.
    Muitos casamentos, namoro, amizades em muitos casos foram beneficiados, mas também, prejudicados em alguns momentos quando utilizada não verbalização errada.

  3. Que bom esse site… Meu caso é o seguinte, tenho 27 anos e sou casada há seis anos com um homem 20 anos mais velho… Temos dois filhos e a diferença de idade nunca foi problema para nós. De uns tempos para cá, nosso relacionamento vem passando por umas crises. Temos dois filhos (2 e 5 anos) que dão um trabalhão. Eu trabalho em tempo integral e as crianças ficam na escola em tempo integral. Meu esposo está há um ano desempregado (por opção dele). Bem, eu ando chateada por qualquer motivo e sinto que ele também. Não conversamos muito, sempre estou super cansada ou ocupada com as crianças; ele se queixou que não sou mais a mesma pessoa, que dedico toda atenção às crianças e que vivo sempre insatisfeita… Bem, eu o amo muito, mas é dificil ser a mesma pessoa que se era quando de tinha 18 anos e nenhuma responsabilidade… Ele está disposto a mudar nossa rotina de vida para que eu possa ficar menos sobrecarregada, mas eu não sei como isso será possível.
    É triste, pois nos amamos muito, mas insatisfeitos com nossa rotina. O que eu posso fazer para criar uma situação melhor?

    (obs.: este comentário está publicado aqui, pois não pode ser diretamente por erro no endereço de e-mail)

  4. Marilena responde:
    Primeiro, você coloca a pergunta “o que você deve fazer” quando na verdade, os dois estão desgastados com a relação. Parece que você está super sobrecarregada não só com o trabalho, mas com os filhos (pelo seu relato).

    Você não diz como é feita a divisão das tarefas com os filhos já que seu marido não está trabalhando. Ele tem ajudado você com os filhos e em casa?

    Será que a falta de trabalho dele está deixando você se sentindo como única responsável pelo lado financeiro da família (ou ele tem alguma renda?).

    Quando você fala que por qualquer coisa se sente insatisfeita, sem dúvida você deve estar sentindo falta de maior apoio de seu marido tanto na parte do emprego e de ajuda em casa. não será isso?
    Quando essa divisão fica desproporcional, geralmente, começa a aparecer uma insatisfação de um dos parceiros.

    Veja se não é isso que está se passando com você e só depois, então, converse com seu marido sobre isso.
    Seja muito sincera com você mesma e com ele pois só assim vcs chegarão a um acordo.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s