Hipnose

Esquecida e desacreditada, redescoberta e reconhecida como técnica eficiente, a hipnose passou por diversas etapas desde o seu uso pelo médico suíço Franz Mesmer em 1776. Depois dele, veio Dr. James Braid, que deu o nome de Hipnose (Hipnos=deus do sono), pois achava que este estado parecia com o do sono.
Hoje já se sabe por mensurações neurológicas da pessoa hipnotizada, que a atividade cerebral, respiração, e ritmo cardíaco parecem ser típicas do estado de vigília normal (de uma pessoa acordada). Portanto, a hipnose parece ser uma variação do estado de vigília; um estado de atenção concentrada, um estado de atenção da consciência.


É necessária a vontade de colaboração do paciente, pois sem ela, não existe a menor possibilidade do estado hipnótico. Além disso, nada pode ser feito contra os princípios e moral do paciente.

Quando fechamos os olhos e pensamos em algum lugar por exemplo, somos capaz de visualizar as cores e detalhes desse lugar ou sentir o cheiro ou mesmo o gosto de determinada fruta. Nossa atenção nesse momento foi focalizada, e concentrada, permitindo assim que uma simples sugestão transportasse nossa mente para aquele objetivo.

Podemos dizer que quando estamos vendo um filme atentamente, por exemplo, estamos em um estado de hipnose. Não sentimos nossa cadeira, não percebemos as outras pessoas, não estamos atentos ao nosso corpo, etc…estamos assim numa atenção concentrada.

O estado de relaxamento, é um estado hipnoidal. Inicia-se o relaxamento e logo depois é introduzida a sugestão onde o paciente conscientemente acompanha a indução dirigida pelo terapeuta. A auto-hipnose é conseguida, quando a própria pessoa promove esse auto-relaxamento e auto-sugestão após desenvolver uma capacidade de atenção concentrada.

Atualmente o que vemos é a chamada “hipnose de palco” onde há aberrações sem sentido, uma vez que a hipnose somente é usada visando a melhora e cura do paciente. Portanto as demonstrações que se vê, distorcem e de certa forma, denigrem a atuação da hipnose.

Há graus de hipnose: estado hipnoidal, leve, médio, profundo e sonambúlico (para alguns autores).
Mas com que finalidade usamos essa técnica? Ela é usada como auxiliar no processo da terapia, como “atalhos” para a cura em fobias, por exemplo, já que se trata de um medo irracional, resultando no evitamento inconsciente do objeto, da atividade ou da situação temida. Lembrando que o medo é um sentimento que vai desde o normal, num movimento para nos defendermos, até à síndrome do pânico.

Ela é usada na dor crônica, com os pacientes terminais com câncer, na odontologia, no stress, no auxílio das doenças psicossomáticas, nas disfunções sexuais, etc…

Mas a hipnose não é mágica, o paciente não sai “curado” em uma única sessão, pois muitas vezes o tratamento é feito paralelamente ao processo terapêutico.

No stress por exemplo, é necessário investigar as adaptações da mente e corpo do indivíduo, já que o stress é uma exigência imposta sobre a capacidade de adaptação da mente e do corpo. O stress pode ser bom ou mau, e portanto, se nossa capacidade for suficientemente boa reagimos bem, senão recuaremos.

Nas demais situações, ela promove um encurtamento no tratamento o que alivia mais rapidamente os sintomas, ou os elimina na sua totalidade.

2 opiniões sobre “Hipnose

  1. 08/02/2010 Comentário recebido:
    Obs.: Publicamos aqui, pois a resposta enviada por e-mail retornou por erro de endereçamento.
    Fico curiosa para fazer hipnose. Dizem que dá pra saber coisas que a consciencia esconde, mas tenho medo de saber algo que pode me incomodar, abrir ressentimento. Isso é normal? Quais as vantagens da hipnose em um tratamento de transtorno de panico e de ansiedade?

    Marilena responde:
    A hipnose nunca é usada separadamente e sim com a terapia.
    Mesmo que surjam alguns conflitos, a terapia estará como outra ferramenta para auxiliar no tratamento.

    Ela é útil na síndrome do pânico, TOC, fobias, etc… pois encurta o tratamento e funciona como um “atalho”, mas sempre usada junto com a terapia.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s